terça-feira, 26 de março de 2013

Fiéis participam da Procissão e Missa de Ramos 2013

Na noite do dia 24, muitos irmãos da comunidade se dirigiram até a casa da Sra. Doralice e do Sr. Francisco (Violão) na esquina da Rua C para participarem da primeira parte da missa do Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor. 
Antes da missa, o coordenador da comunidade explicou sobre os objetivos da coleta nacional da solidariedade realizada nesse dia e em sintonia com a Campanha da Fraternidade que tratou dos avanços e os desafios da juventude brasileira. Aproveitou-se o momento para se colocar as intenções para a santa missa, rezou-se pelos doentes da comunidade, pelos irmãos que já partiram para a eternidade e pelos jovens, tendo em vista que nessa solenidade se celebra há 28 anos a “Jornada Mundial da Juventude”. 
Às 19h10, nosso pároco chegou e acolheu os irmãos presentes, procedeu à bênção dos ramos e proclamou o primeiro evangelho (o da Entrada triunfal de Jesus em Jerusalém). Em seguida, todos, cantando “Hosanas” caminharam em direção à capela de N. Sra. Aparecida. 
Na capela a animação musical foi feita pelo jovem Lucas Felipe e o Evangelho da Paixão foi narrado por várias pessoas (a maioria, jovens). 
Na homilia o pároco falou sobre o sentido e valor de cada celebração a ser vivenciada nesta Semana Santa.
No momento de comunicados, o coordenador agradeceu a presença maciça de fiéis, agradeceu a recepção e atenção da família de Dona Doralice, de onde saiu a procissão e, agradeceu ainda ao Sr. Cristiano (ex-coordenador) que foi responsável por nos trazer os ramos para distribuirmos aos fiéis e também pela belíssima ornamentação da capela. 
O coordenador agradeceu ainda a grupo de pessoa que doou novos castiçais para o altar. Aproveitou ainda para pedir o apoio financeiro dos fiéis, pois se deseja o quanto antes adquirir-se novas cadeiras para o presbitério. Informou que para esse intento, acontecerá no próximo dia 7 de abril um “leilão-americano” de um quadro com uma belíssima estampa de N. S. Jesus Cristo e que o lance mínimo inicial é de R$ 5,00. (Para ajudar-nos nessa campanha, procure o coordenador e/ou o tesoureiro e faça sua doação!). 
Encerrada a missa, no adro da capela, jovens do grupo Guerreiros de Cristo, apresentaram uma coreografia do Hino da Campanha da Fraternidade, encerrando assim esta Campanha na comunidade. 
Desejamos uma excelente Semana Santa a todos nossos irmãos e convidamos a virem celebrar a Páscoa conosco no próximo dia 31 de março! 
Feliz Páscoa!

Comunidade dá início aos encontros de Catequese infantil - 2013

Na manhã do Domingo de Ramos, 24, os catequistas da comunidade acolheram os novos e os veteranos catequizandos para as turmas de Catequese em preparação para a Primeira Comunhão.
O encontro foi conduzido pelo Coordenador da Comunidade, catequista Hermerson Saulo. Na ocasião se fez dinâmicas de acolhimento e depois apresentação dos catequistas. 
Nesse ano contamos com o retorno às atividades das catequistas Maria de Jesus e Carlota. A ex-catequista da Paróquia de Fátima, a Sra. Milena também veio colaborar com a catequese da Comunidade, inicialmente, auxiliando a catequista Ivanice a concluir os encontros desse ano (vale lembrar que essa turma começou ano passado!) e preparar a 1ª Comunhão a ser realizada em 26 de maio próximo. 
No próximo final de semana (30 e 31 de março) não acontecerão encontros de catequese por conta dos dias santos, porém dia 6 e 7 de abril os encontros começam a “todo vapor”. 
  • Crianças de 6 a 7 anos (Nível I) ficarão com a Catequista Maria de Jesus às 16h, nos sábados; 
  • Crianças de 8 a 9 anos incompletos (Nível II) ficarão com a Catequista Carlota às 8h, nos domingos; 
  • Crianças de 9 a 12 anos (turma de 1ª Comunhão "2014") ficarão com as Catequistas Arlene e Karina 15h, nos sábados; 
  • As crianças da Catequista Ivanice (e Milena) continuam no horário de 9h nos domingos. 
Caros irmãos e irmãs, alertem os pais destas crianças para que eles não deixem perder os horários e os encontros de Catequese que irão lhes ajudar tanto a se tornarem bons discípulos-missionários de Jesus.

Irmãos participam da Missa de Frei Galvão: março/2013

Na noite do último sábado, 23, com uma colaboração simbólica dos irmãos e uma contrapartida do caixa da Comunidade, fretamos um ônibus (do irmão Antônio, esposa de dona Do Carmo) e participamos na Matriz Paroquial da missa votiva mensal ao primeiro brasileiro canonizado, S. Antônio Galvão, nosso querido padroeiro paroquial. 
A Matriz ficou pequena para o grande número de fiéis! Vieram caravanas de outras paróquias de Parnaíba e de cidades vizinhas como Buriti dos Lopes. Uma devota deu um testemunho de graça alcançada a partir do momento que fez a novena e tomou as pílulas milagrosas de Frei Galvão. 
Você que ainda não participou dessa Missa a Frei Galvão, participe todo dia 23 de cada mês na Matriz de Frei Galvão, no Conj. Joaz Souza. Nesse dia há a distribuição gratuita das pílulas milagrosas. 
Se Deus quiser no próximo dia 23 de abril marcaremos presença novamente!

quinta-feira, 21 de março de 2013

Jornalista em artigo: "Bento XVI e Francisco não são tão diferentes quanto parecem"

A simplicidade e a humildade serão, de fato, características marcantes do pontificado do Papa Francisco. Praticamente toda reportagem faz questão de ressaltar esses pontos, que são, realmente, elogiáveis. No entanto, a maior parte dos relatos da imprensa também faz questão de estabelecer um antagonismo entre Francisco e seu antecessor, Bento XVI. Não basta saber que o anel do novo Papa é de prata, banhado a ouro; é preciso citar o de Ratzinger, feito de ouro maciço. Elogia-se o Papa que mantém a cruz peitoral de ferro dos seus tempos de bispo, ao mesmo tempo em que se lembra que Bento XVI usava cruzes de ouro. A impressão é de que se pretende levar o leitor a pensar "esse, sim, é um bom Papa, não é como o anterior", como se um conclave fosse um concurso de simpatia.
Papa emérito Bento XVI e Cardeal Bergoglio, hoje papa Francisco
O mote começa a beirar o exagero quando cerimônias como a do início do pontificado são elogiadas por sua "simplicidade" em contraposição às liturgias de Bento XVI. Na verdade, a missa em quase nada foi diferente do que teria sido se o Papa anterior a tivesse celebrado. É verdade que o novo Pontífice não parece demonstrar o mesmo interesse pela liturgia que tinha Bento XVI, mas é preciso levar em consideração que Ratzinger jamais viu nas vestes litúrgicas um instrumento de ostentação e autopromoção. Sua visão da beleza como elemento apologético está bem documentada em sua obra. E, simplicidade por simplicidade, Bento sempre fez questão de usar adereços litúrgicos - cada um deles carregado de simbologia, ou seja, não se trata de mero enfeite - já usados por outros Papas e pertencentes ao Vaticano, com custo zero.
Francisco se sente muito à vontade entre a multidão, mas é até injusto comparar um Pontífice com décadas de experiência pastoral com um acadêmico introvertido que fez praticamente toda a sua carreira eclesiástica em universidades e na cúria romana. E, mesmo assim, Bento nunca fugiu dos fiéis ou nunca se mostrou avesso ao contato com as pessoas. O "abraço coletivo" que ganhou dos dependentes de drogas na Fazenda Esperança, em Guaratinguetá (SP), é um dos momentos mais tocantes de sua visita ao Brasil, em 2007.
A julgar pelas repetidas menções que faz a seu "amado predecessor", muito provavelmente o próprio Papa Francisco rejeitaria comparações de estilo com a intenção de diminuir Bento XVI ou fazê-lo parecer fútil com suas cruzes douradas e sapatos vermelhos. Mas é difícil imaginar que os elogios ao Papa simples e humilde vão continuar quando ele começar a se pronunciar sobre os tais "temas polêmicos" a respeito dos quais a imprensa sempre espera, em vão, por mudanças. Aí se perceberá que Bento XVI e Francisco não são tão diferentes quanto parecem.

Marcio Antonio Campos, editor de opinião e blogueiro de ciência e religião da 'Gazeta do Povo'.
Da redação do Portal Ecclesia.

sexta-feira, 15 de março de 2013

Estão abertas as matrículas para a Catequese

"Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, 
ainda quando for velho, não se desviará dele" (Provérbios 22, 6)

A Coordenação da Comunidade informa aos interessados que na manhã do domingo, 17 de março/2013, os catequistas estarão na Capela de N. Sra. Aparecida para realizar matrículas para o ingresso de crianças na Catequese de 1ª Comunhão. 
Poderão ser matriculadas crianças com idades variando de 6 a 12 anos. O início dos encontros está previsto para o domingo, 24 de março.

OBS.: Os pais de crianças que já frequentam a Catequese precisam confirmar (rematricular) seus filhos!

Bispo diocesano de Parnaíba comenta eleição do novo Santo Padre

No evangelho de Mateus 16, 16 escutamos: “Simão Pedro respondeu a Jesus: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. Jesus então declarou: feliz és tu Simão, filho de Jonas, porque não foi carne e nem sangue quem te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. Por isso eu te digo, tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as forças do Interno não poderão vencê-la. Eu ti darei as chaves do Reino dos Céus, tudo o que ligares na terra, será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado no céus.” 
Caros [...], ontem [13.3.2013] o mundo inteiro estava olhando para a Praça de São Pedro, em Roma, para ver se [ia] sair uma fumaça branca, sinal que foi eleito um novo papa. E por fim, no fim da tarde aconteceu o esperado. A fumaça saiu branca como sinal: o novo Papa foi eleito! 
Novamente os olhos do mundo inteiro se dirigiram para a sacada da Basílica São Pedro, no Vaticano, quando pouco tempo depois foi anunciado em latim, língua oficial da nossa Igreja: temos um papa na pessoa do Cardeal Jorge Maria Bergoglio com o novo nome de FRANCISCO. 
Foi um grande júbilo não somente na Praça de São Pedro em Roma, mas no mundo inteiro os sinos das Igrejas tocaram e o povo expressou nas mais diversas formas a alegria que nós como Igreja Católica temos de novo um papa. 
Precisamos sempre escutar muito claro que a Palavra de Deus não fala de duas ou três ou quatro Igrejas. Jesus fala no singular. “Tu és Pedro e sobre esta Pedra edificarei a minha Igreja”. A Igreja de Pedro é sempre a Igreja de Jesus Cristo. O Papa Francisco que foi eleito é o 266º sucessor de Pedro ao longo destes dois mil anos que nossa Igreja católica tem. 
A Igreja é feita de todos nós que fomos batizados, por isso a Igreja é sempre santa e pecadora. Sempre precisamos ter em mente que a Igreja existe em função do mundo. O grande exemplo que Jesus Cristo deu a todos nós quando instituiu a Eucaristia, foi quando lavou os pés dos discípulos, que naquele tempo era um serviço dos escravos. Por isso precisamos ser uma Igreja de lava pés, uma Igreja que procura acima de tudo anunciar a Boa Nova para que a humanidade saiba conviver em paz e harmonia, conviver em fraternidade. 
A Igreja existe em função do mundo. Isso exige constantemente uma conversão, quer dizer uma mudança de atitudes, uma mudança no relacionamento que se expressa no respeito e na solidariedade com todos que estão sofrendo e que ficam na margem da nossa sociedade. 
O Papa é o pastor universal que mostra rumo e direção que devemos tomar na nossa vida e acima de tudo na nossa convivência. 
Formamos a Igreja que deve ser sal da terra, fermento na massa e luz do mundo. Mas pouco adiante quando alguém nos quer guiar e conduzir e nós nos fechamos apostamos no nosso egoísmo e nas nossas vaidades. 
Por isso vamos fazer a prece que a voz do Papa Francisco encontre no mundo inteiro corações abertas para que sejamos como São Francisco foi instrumentos de paz e de fraternidade. 
Firme na fé e fiquem com Deus. 
† Alfredo Schaffler 
Bispo Diocesano de Parnaíba

quarta-feira, 13 de março de 2013

A Igreja de Cristo tem um novo Papa!


Rezemos irmãos e irmãs pelo 266º Pontífice Romano, o papa FRANCISCO!

Cardeal Jorge Mario Bergoglio, Papa Francisco, é o primeiro jesuíta a ser eleito papa, é o primeiro papa latino-americano, nascido em Buenos Aires, na Argentina à 17 de dezembro de 1936. Tem 76 anos de vida. 
Sua missa de entronização (começo do pontificado) está prevista para o dia 19 de março, festa de São José, esposo da Virgem Maria, guardião da Sagrada Família, declarado pelo beato Pio IX "Padroeiro universal da Igreja".
Que todos os "santos Franciscos" auxiliem o nosso novo papa a ser santo e governar bem a santa Igreja de Cristo. Amém!

terça-feira, 5 de março de 2013

Tem início os encontros em família sobre a CF-2013

Na noite desta segunda-feira, 4, Dona Dolores e família acolheu vários irmãos em sua casa a fim de estudarem e debaterem o tema da Campanha da Fraternidade deste ano que tem o intuito de levar a todos os católicos a rezarem pelos jovens, despertar neles o sentido de ser cristão e dar-lhes apoio necessário para seu amadurecimento na fé.


Nossa irmã Dolores, com 96 anos de vida, mas já com a saúde bem debilitada deve servir de exemplo para muitos jovens da comunidade, pois ela já foi jovem um dia, foi uma boa filha, se tornou uma boa mãe e é cristã fidelíssima.
Hoje, terça-feira, 5, o 2º encontro da "CF em Família-2013" acontece na casa de Dona Maria Rosa na Rua D do Conj. Broder Ville. 
Quaresma é tempo de caridade, jejum, mas sobretudo de oração, portanto, participe desse momento de fé na comunidade!

sábado, 2 de março de 2013

Rezemos pela eleição do novo Santo Padre

Rezemos com toda a Igreja:


Orientações litúrgicas para o período de Sé Vacante

Apresentamos as orientações litúrgicas para o período de Sé Vacante.

1 – OMISSÃO DA CITAÇÃO DO NOME DO PAPA NA ORAÇÃO EUCARÍSTICA E NA LITURGIA DAS HORAS.
Durante todo o período de Sé Vacante, ou seja, desde as 16:00 horas do dia 28 de fevereiro de 2013 até a eleição do novo Papa, se omite a citação do nome do Santo Padre na Oração Eucarística e o mesmo não é substituído por nenhum outro nome. Na oração da Liturgia das Horas se omitem as intercessões pelo Papa.

Exemplo: Oração Eucarística II: "Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja que se faz presente pelo mundo inteiro: que ela cresça na caridade, com o Papa (N.), com o nosso Bispo (N.), e todos os ministros do vosso povo".

2 – ORAÇÃO PELA ELEIÇÃO DO PONTÍFICE
Durante este período, se recomenda, entretanto, que os pastores e fiéis permaneçam em oração pela eleição do novo Papa. Pode-se celebrar nos dias de semana a Missa “Por várias necessidades: Para a Eleição do Papa” (Missal Romano), com a cor litúrgica do tempo da quaresma. Encoraja-se também realização de Hora Santa ou a recitação pública do rosário pela eleição do Papa.

3. APÓS A ELEIÇÃO DO SANTO PADRE
Como estabelece a Constituição Apostólica Universi Dominici Gregis: “88. Depois da aceitação, o eleito que tenha já recebido a Ordenação episcopal, é imediatamente o Bispo da Igreja de Roma, verdadeiro Papa e Cabeça do Colégio Episcopal; e adquire efetivamente o poder pleno e absoluto sobre a Igreja universal, e pode exercê-lo. Se, pelo contrário, o eleito não possuir o caráter episcopal, seja imediatamente ordenado Bispo.”
Assim sendo, a partir do momento do anúncio da eleição do Pontífice, toda a Igreja passa a recordar do Papa como de costume.

FORMULÁRIO DAS MISSAS SEMANAIS PARA ELEIÇÃO DO NOVO PAPA 

Quanto ao formulário de Missa para a eleição do Papa que consta no Missal Romano (cf. edição brasileira Paulus, p. 885), é necessário recordar que estamos no tempo da Quaresma. Por isto, os formulários de Missas para as diversas necessidades só podem ser usados nos dias de semana (cf. Instrução Geral do Missal Romano, n. 374). 

Antífona de entrada (1 Sm 2, 35)
Farei surgir um sacerdote fiel, que agirá segundo o meu coração e minha vontade. Eu lhe darei uma casa que permaneça para sempre e ele caminhará na minha presença todos os dias

Oração do dia
OREMOS: (pausa) Ó Deus, pastor eterno, Que governais o vosso rebanho com solicitude constante, No vosso amor de Pai Concedei à Igreja um pastor que vos agrade pela virtude E que vele solícito sobre nós. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, Na unidade do Espírito Santo. AMÉM.

Sobre as oferendas
OREMOS: (pausa) Ó Deus, sede compassivo para conosco, e dai-nos, pelas oferendas que vos apresentamos, a alegria de ver à frente de vossa Igreja um pastor do vosso agrado. Por Cristo, nosso Senhor. AMÉM.

Antífona da comunhão (Jo 15, 16)
Fui eu que vos escolhi e enviei para produzirdes fruto, e o vosso fruto permaneça, diz o Senhor.

Depois da comunhão
OREMOS: (pausa) Refeitos, ó Deus, pelo sacramento do corpo e do sangue de vosso Filho, dai-nos a alegria de possuir um pastor que dirija o vosso povo no caminho da virtude e faça penetrar em seu coração a verdade do evangelho. Por Cristo, nosso Senhor. AMÉM.

FONTES:

Sede Vacante

Do dia 28 de fevereiro, quinta-feira, às vinte horas de Roma, a Igreja Católica está sem Papa. Efetivada a renúncia de Bento XVI, começa o período de “sede vacante”. Está vago o cargo de Papa. 
Tudo conforme ele mesmo tinha determinado, no dia 11 de fevereiro, quando estabeleceu o dia e a hora exata em que ele deixaria de exercer a missão de Papa. 
De tal modo que toda a Igreja teve tempo de assimilar a notícia da inesperada decisão, e contar com a segurança das disposições que entram logo em vigor quando vem a faltar o Papa. Assim todos podemos ter segurança e serenidade, sabendo que estão agora previstos todos os passos que vão levar à eleição de um novo Papa, dentro de poucos dias. 
Desta vez a situação foi inusitada. Quando morria um Papa, estávamos acostumados a acompanhar o seu enterro, e agradecer a Deus o dom de sua vida, colocada a serviço da Igreja até o momento de sua morte. 
Fomos surpreendidos por uma inesperada decisão do Papa, que sentindo suas forças faltarem, decidiu renunciar, para deixar o lugar a outro que pudesse cumprir esta pesada missão com renovadas energias. 
Desta maneira, não é que ele abandonou o barco, para cair fora. Ao contrário, sentiu tanta responsabilidade pesando em seus ombros, que achou mais acertado, para o bem da Igreja, renunciar à sua missão de Papa, para que esta missão seja assumida por alguém em plenas condições de suportar o peso deste cargo todo especial. 
Com isto, de certa maneira, Bento XVI deu um claro recado ao novo Papa. Seja quem for o eleito, ele poderá contar com o apoio de todos para enfrentar “as questões de grande relevância para a vida da fé, para governar a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho”, como ele mesmo falou no dia em que anunciou sua renúncia. 
Como todos já pudemos constatar, Bento XVI nos deixa um claro e comovente testemunho de tantas virtudes, que o ajudaram a tomar esta decisão. 
Foi humilde para reconhecer sua fraqueza física. 
Foi desprendido em deixar de lado as honras e o poder do cargo que ocupava. 
Foi sobretudo responsável, comunicando sua decisão, a tempo de todos assimilarem a notícia e assumirem suas responsabilidades. 
Com sua renúncia, Bento XVI nos deixa um comovente exemplo de total devotamento à missão que Deus dá a cada um. Sua renúncia se assemelha a um grande retiro, onde ele poderá agora se deter com mais serenidade, vinda de sua paz de consciência pelo dever cumprido, e da abundante semeadura, que a seu tempo germinará e dará muitos frutos. 
Pelo inusitado da renúncia, o fato se revestiu de expectativas de mudanças na vida da Igreja. Com seu gesto, Bento XVI acabou demonstrando que é possível provocar mudanças, mesmo num aparato tão monolítico como se tornou a estrutura da instituição eclesial. 
Parecia que o impulso renovador do Vaticano II já tivesse se esgotado. De repente, a renúncia de um Papa acaba mostrando que é possível, sim, mudar muitas coisas, que o peso da história parecia canonizar como imutáveis! 
Nestes dias de sede vacante, estas esperanças se concentram na pessoa do novo Papa que vai ser eleito. Mas podemos alargá-las, apostando nas iniciativas renovadoras que poderão contagiar a Igreja inteira, como aconteceu com João XXIII. 

Dom Demétrio Valentini 
Bispo de Jales (SP) 

Fonte: CNBB. SEX, 01 DE MARÇO DE 2013.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...