sábado, 31 de dezembro de 2011

Hoje, 31/12, é Dia de São Silvestre

S. Silvestre, papa (314-335)
Este Papa dos inícios da nossa Igreja era um homem piedoso e santo, mas de personalidade pouco marcada. São Silvestre I apagou-se ao lado de um Imperador culto e ousado como Constantino, o qual, mais que servi-lo se terá antes servido dele, da sua simplicidade e humanidade, agindo por vezes como verdadeiro Bispo da Igreja, sobretudo no Oriente, onde recebe o nome de Isapóstolo, isto é, igual aos apóstolos.
E na realidade, nos assuntos externos da Igreja, o Imperador considerava-se acima dos próprios Bispos, o Bispo dos Bispos, com inevitáveis intromissões nos próprios assuntos internos, uma vez que, com a sua mentalidade ainda pagã, não estava capacitado para entender e aceitar um poder espiritual diferente e acima do civil ou político.
E talvez São Silvestre, na sua simplicidade, tivesse sido o Papa ideal para a circunstância. Outro Papa mais exigente, mais cioso da sua autoridade, teria irritado a megalomania de Constantino, perdendo a sua proteção. Ainda estava muito viva a lembrança dos horrores por que passara a Igreja no reinado de Diocleciano, e São Silvestre, testemunha dessa perseguição que ameaçou subverter por completo a Igreja, terá preferido agradecer este dom inesperado da proteção imperial e agir com moderação e prudência.
Constantino terá certamente exorbitado. Mas isso ter-se-á devido ao desejo de manter a paz no Império, ameaçada por dissenções ideológicas da Igreja, como na questão do donatismo que, apesar de já condenado no pontificado anterior, se vê de novo discutido, em 316, por iniciativa sua.
Dois anos depois, gerou-se nova agitação doutrinária mais perigosa, com origem na pregação de Ario, sacerdote alexandrino que negava a divindade da segunda Pessoa e, consequentemente, o mistério da Santíssima Trindade. Constantino, inteirado da agitação doutrinária, manda mais uma vez convocar os Bispos do Império para dirimirem a questão. Sabemos pelo Liber Pontificalis, por Eusébio e Santo Atanásio, que o Papa dá o seu acordo, e envia, como representantes seus, Ósio, Bispo de Córdova, acompanhado por dois presbíteros.
Ele, como dignidade suprema, não se imiscuiria nas disputas, reservando-se a aprovação do veredito final. Além disso, não convinha parecer demasiado submisso ao Imperador.
Foi o primeiro Concílio Ecumênico (universal) que reuniu em Niceia, no ano 325, mais de 300 Bispos, com o próprio Imperador a presidir em lugar de honra. Os Padres conciliares não tiveram dificuldade em fazer prevalecer a doutrina recebida dos Apóstolos sobre a divindade de Cristo, proposta energicamente pelo Bispo de Alexandria, Santo Atanásio. A heresia de Ario foi condenada sem hesitação e a ortodoxia trinitária ficou exarada no chamado Símbolo Niceno ou Credo, ratificado por S. Silvestre.
Constantino, satisfeito com a união estabelecida, parte no ano seguinte para as margens do Bósforo onde, em 330, inaugura Constantinopla, a que seria a nova capital do Império, eixo nevrálgico entre o Oriente e o Ocidente, até à sua queda em poder dos turcos otomanos, em 1453.
Data dessa altura a chamada doação constantiniana, mediante a qual o Imperador entrega à Igreja, na pessoa de S. Silvestre, a Domus Faustae, Casa de Fausta, sua esposa, ou palácio imperial de Latrão (residência papal até Leão XI), junto ao qual se ergueria uma grandiosa basílica de cinco naves, dedicada a Cristo Salvador e mais tarde a S. João Batista e S. João Evangelista (futura e atual catedral episcopal de Roma, S. João de Latrão). Mais tarde, doaria igualmente a própria cidade.
Depois de um longo pontificado, cheio de acontecimentos e transformações profundas na vida da Igreja, morre S. Silvestre I no último dia do ano 335, dia em que a Igreja venera a sua memória. Sepultado no cemitério de Priscila, os seus restos mortais seriam transladados por Paulo I (757-767) para a igreja erguida em sua memória.

São Silvestre, rogai por nós!
P.S.: Um dito popular diz que São Silvestre tem uma listinha com o nome daqueles que irão partir para o Céu no ano seguinte! Será mesmo? Só Deus sabe! 
Aproveitemos bastante o ano de 2012 que está começando!

Dia Mundial da Paz - 2012 - "EDUCAR OS JOVENS PARA A JUSTIÇA E A PAZ"

MENSAGEM DE SUA SANTIDADE BENTO XVI
PARA A CELEBRAÇÃO DO
XLV DIA MUNDIAL DA PAZ
1 DE JANEIRO DE 2012

EDUCAR OS JOVENS PARA A JUSTIÇA E A PAZ

1. O INÍCIO DE UM NOVO ANO, dom de Deus à humanidade, induz-me a desejar a todos, com grande confiança e estima, de modo especial que este tempo, que se abre diante de nós, fique marcado concretamente pela justiça e a paz.
Com qual atitude devemos olhar para o novo ano? No salmo 130, encontramos uma imagem muito bela. O salmista diz que o homem de fé aguarda pelo Senhor « mais do que a sentinela pela aurora » (v. 6), aguarda por Ele com firme esperança, porque sabe que trará luz, misericórdia, salvação. Esta expectativa nasce da experiência do povo eleito, que reconhece ter sido educado por Deus a olhar o mundo na sua verdade sem se deixar abater pelas tribulações. Convido-vos a olhar o ano de 2012 com esta atitude confiante. É verdade que, no ano que termina, cresceu o sentido de frustração por causa da crise que aflige a sociedade, o mundo do trabalho e a economia; uma crise cujas raízes são primariamente culturais e antropológicas. Quase parece que um manto de escuridão teria descido sobre o nosso tempo, impedindo de ver com clareza a luz do dia.
Mas, nesta escuridão, o coração do homem não cessa de aguardar pela aurora de que fala o salmista. Esta expectativa mostra-se particularmente viva e visível nos jovens; e é por isso que o meu pensamento se volta para eles, considerando o contributo que podem e devem oferecer à sociedade. Queria, pois, revestir a Mensagem para o XLV Dia Mundial da Paz duma perspectiva educativa: « Educar os jovens para a justiça e a paz », convencido de que eles podem, com o seu entusiasmo e idealismo, oferecer uma nova esperança ao mundo.
A minha Mensagem dirige-se também aos pais, às famílias, a todas as componentes educativas, formadoras, bem como aos responsáveis nos diversos âmbitos da vida religiosa, social, política, económica, cultural e mediática. Prestar atenção ao mundo juvenil, saber escutá-lo e valorizá-lo para a construção dum futuro de justiça e de paz não é só uma oportunidade mas um dever primário de toda a sociedade.
Trata-se de comunicar aos jovens o apreço pelo valor positivo da vida, suscitando neles o desejo de consumá-la ao serviço do Bem. Esta é uma tarefa, na qual todos nós estamos, pessoalmente, comprometidos.
As preocupações manifestadas por muitos jovens nestes últimos tempos, em várias regiões do mundo, exprimem o desejo de poder olhar para o futuro com fundada esperança. Na hora actual, muitos são os aspectos que os trazem apreensivos: o desejo de receber uma formação que os prepare de maneira mais profunda para enfrentar a realidade, a dificuldade de formar uma família e encontrar um emprego estável, a capacidade efectiva de intervir no mundo da política, da cultura e da economia contribuindo para a construção duma sociedade de rosto mais humano e solidário.
É importante que estes fermentos e o idealismo que encerram encontrem a devida atenção em todas  as componentes da sociedade. A Igreja olha para os jovens com esperança, tem confiança neles e encoraja-os a procurarem a verdade, a defenderem o bem comum, a possuírem perspectivas abertas sobre o mundo e olhos capazes de ver « coisas novas » (Is 42, 9; 48, 6).

Os responsáveis da educação
2. A educação é a aventura mais fascinante e difícil da vida. Educar – na sua etimologia latina educere – significa conduzir para fora de si mesmo ao encontro da realidade, rumo a uma plenitude que faz crescer a pessoa. Este processo alimenta-se do encontro de duas liberdades: a do adulto e a do jovem. Isto exige a responsabilidade do discípulo, que deve estar disponível para se deixar guiar no conhecimento da realidade, e a do educador, que deve estar disposto a dar-se a si mesmo. Mas, para isso, não bastam meros dispensadores de regras e informações; são necessárias testemunhas autênticas, ou seja, testemunhas que saibam ver mais longe do que os outros, porque a sua vida abraça espaços mais amplos. A testemunha é alguém que vive, primeiro, o caminho que propõe.
E quais são os lugares onde amadurece uma verdadeira educação para a paz e a justiça? Antes de mais nada, a família, já que os pais são os primeiros educadores. A família é célula originária da sociedade. « É na família que os filhos aprendem os valores humanos e cristãos que permitem uma convivência construtiva e pacífica. É na família que aprendem a solidariedade entre as gerações, o respeito pelas regras, o perdão e o acolhimento do outro ».[1] Esta é a primeira escola, onde se educa para a justiça e a paz.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Confraternização da Comunidade-2011

Na noite de hoje, nos reunimos para confraternizar, refletir e recordar os momentos bons e tristes de 2011 e ao mesmo tempo fazer votos para 2012...
Dona Maria da Soledade e Seu Raimundo Amaral (“Mestrim”) foi o casal que nos cedeu sua casa (seu terraço) para a Confraternização!
Por ser dia da Festa da Sagrada Família de Nazaré, o catequista Hermerson Saulo proclamou o Evangelho (Lc 2, 22-40) e em seguida fez uma pregação baseada também no Catecismo da Igreja Católica sobre o papel da família na educação dos filhos/jovens! Falou ainda na importância do respeito ao outro, do diálogo e do perdão.
Dona Carlota, Seu Cristiano, nosso coordenador, Dona Rosário e Seu João Lucas expuseram seus votos para o próximo ano e encerrado esse momento, rezamos a Oração Dominical, a Ave-Maria e cantamos a Oração pela Família (Pe. Zezinho) por nossas famílias, pelos doentes da comunidade e pelos alimentos que cada um trouxe para partilhar e que logo em seguida se degustou.
Hoje também, foi aniversário natalício da catequista Rosa Maria, assim cantemos os "Parabéns" a esta irmã!


Nossa confraternização foi uma maravilha, embora muitos irmãos não tenham comparecido! Nossos cumprimentos ao casal que nos acolheu!

Aproveitando a oportunidade desejamos a você amigo/a leitor/a um Feliz e Abençoado 2012!

Confraternização Paroquial dos Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão

Na noite de ontem, 29/12, grande parte dos Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão (MESC) da Paróquia Santo Antônio de Santana Galvão se reuniram no Salão Frei Galvão para se confraternizarem e fazerem votos de Feliz 2012. 
Alguns presentes ainda estão em formação, ou seja, ainda não receberam a investidura e provisão. O pároco, Pe. Vicente Gregório, esteve presente à festinha e abençoou a cada um!
Ao final, rezou-se pela recuperação da saúde de duas ministras - Dona Maria (Comunidade N. S. do Livramento-Igaraçu) e Dona Socorro (Comunidade Imaculado Coração de Maria-matriz). Que Frei Galvão interceda por estas filhas de Deus!


Nossos ministros Hermerson Saulo e o Alvino Fontenele (e sua família) participaram também da Confraternização!
Que os mártires São Tarcísio de Roma e o brasileiro Beato Mateus Moreira velem por cada MESC de nossa paróquia a fim de que continuem fazendo um excelente trabalho junto aos enfermos de nossas comunidades! Amém!

Ícones da JMJ e 5ª Romaria da Juventude na diocese de Parnaíba

Confira na matéria (clique na imagem) abaixo, extraída do "Informativo Millenium" (Ano X, nº 80, nov-dez/2011, p. 4), a Programação da Acolhida da Cruz Peregrina das Jornadas Mundiais da Juventude e do Ícone de Nossa Senhora em nossa diocese que está prevista para 11 de março do ano vindouro.


Para melhor se prepararem espiritualmente para a recepção dos ícones das JMJ, os Grupos de Jovens das 27 paróquias de nossa diocese podem adquir, na Cúria Diocesana (localizada à Rua Josias Moraes-bairro Nova Parnaíba / próximo ao Colégio Diocesano-Parnaíba-PI), de segunda à sexta-feira (horário comercial), o livreto: "Cruz Peregrina: Rumo ao Rio 2013 - Encontros Celebrativos.". O material é muito bom e vale à pena celebrar com ele. O subsídio pode ser adquirido também pela Internet, no site da "Edições CNBB", por este link.

ORDENAÇÃO DIACONAL-2012

No próximo dia 2 de fevereiro/2012, festa da Apresentação do Senhor e dia dedicado à oração pela Vida Consagrada, na Igreja Catedral de N. Sra. Mãe da Divina Graça, nesta cidade, serão ordenados diáconos pela imposição das mãos e oração consacratória de Dom Alfredo Scháffler, bispo diocesano os seminaristas Francisco Carvalho, de nossa paróquia (Frei Galvão-Parnaíba) e Luiz Gomes, filho da paróquia de N. Sra. da Conceição-Pedro II.
Em 15 de janeiro de 2011 na Igreja Catedral os seminaristas em missa solene, receberam o ministério do Acolitato (auxiliar o padre nas celebrações). Naquela mesma missa o seminarista Almir recebeu o ministério do Leitorato e o seminarista Sandro foi admitido para o Seminário Maior de Teologia em São Paulo. Rezemos para que mais jovens descubram a alegria de ser padre.
Nossos seminaristas estão espalhados por quatro centros de formação: o Seminário Menor e Propedêutico João Paulo II, em nossa cidade, os Seminário Maior de Filosofia Dom Edilberto Dinkelborg e Seminário Maior de Teologia Sagrado Coração de Jesus - em Teresina-PI e o Seminário Mater Ecclesiae - em Itapecirica da Serra-SP. Eles precisam de nosso apoio financeiro e espiritual! Portanto, ajude-os! Confira a campanha ao lado.
Visite o site de nossos seminaristas: http://seminaristasphb.webnode.com.br/

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Nossa Senhora da Amazônia

Amazônia: hectares de distâncias, desafios sem confim. Terra de povos originários, de religiosidade popular, de interesses de bons e maus. Em meio a tantos problemas, a Igreja quer reforçar sua presença, levando esperança e alento a seus habitantes. 
A região vai ganhar um Santuário em frente ao Rio Negro: o Santuário de Nossa Senhora da Amazônia, zona oeste de Manaus, terá forma de canoa, principal meio de transporte dos povos amazônidas. 
Nossa Senhora da Amazônia tem agora uma imagem, apresentada aos mais de 2 mil fiéis que participaram da celebração da Santa Missa na noite da última segunda-feira, no Largo de São Sebastião.
A representação da Virgem foi feita por uma artista local, Lara Denys, e escolhida através de um concurso nacional, realizado pela Arquidiocese de Manaus, no primeiro semestre deste ano. Na imagem, Nossa Senhora possui traços indígenas e pele escura, carregando o menino Jesus com as mesmas características, em cima de uma Vitória Régia, planta típica da região amazônica.
Entrevistado pela Rádio Vaticano, o arcebispo Metropolitano de Manaus, Dom Luiz Soares Vieira, ressalta a importância da representação local de Nossa Senhora. 
“Nós pensamos em construir um Santuário mariano aqui na cidade de Manaus, numa região que terá como fundo uma reserva ecológica, uma reserva florestal, um lugar muito bonito, que diz muito respeito à nossa região amazônica. Então se perguntou ao povo que título daríamos a Nossa Senhora. Temos Nossa Senhora de Nazaré, Nossa Senhora da Conceição, que são muito populares entre nós. A resposta foi que seria interessante e muito bonito,além de um gesto de carinho de nossa população, olhar para Maria, Mãe de Jesus, nossa querida mãezinha, e dizer a ela que ela é Nossa Senhora da Amazônia. É um gesto de carinho, naturalmente, mas que diz muito, porque estamos numa região que é importante para o Brasil e para o mundo, mas sobretudo para nós que moramos nesta região. É uma região que está em discussão no mundo inteiro, por causa das mudanças climáticas. É um titulo que diz bastante: Maria, Mãe de Jesus, nossa mãezinha querida, que nos acompanha nesta região, a nós que moramos aqui, nossas florestas, nossas águas, nossos rio, nossos animais, enfim, tudo. É uma proximidade grande trazer Maria entre nós, torná-la ainda mais próxima, fazê-la lembrada por nossa gente”. 
“Foi então lançado um concurso para termos uma imagem que a representasse Nossa Senhora da Amazônia. O concurso foi bem atendido pelos artistas e venceu um quadro que é muito bonito: os traços de Nossa Senhora são traços do nosso povo, de nossa região; traços marcantes, indígenas. O menino Jesus também, e Nossa Senhora apoiada na vitória-régia, que é uma das plantas mais bonitas e características que temos em nossa região. É um quadro muito significativo. No dia 26, presidi a missa em uma praça pública em frente ao Teatro de Manaus, e durante essa missa, a artista expôs o que queria dizer com o quadro e eu o apresentei. Fizemos uma oração, e há também uma música de autoria de um compositor daqui de nossa terra; é uma invocação que diz muito respeito a nós e é também muito atual. Quando falamos tanto em mudanças climáticas, temos Nossa Senhora que intercede muito por nós, nesta região marcada pela presença forte da natureza e do povo que esta aqui há séculos. Foi um momento de alegria e acredito que com a construção do Santuário, teremos realmente um lugar de muita devoção mariana, mas ao mesmo tempo voltada para nossa região".

Discurso da designer na apresentação da Imagem de N. Sra. da Amazônia:

Reverendíssimo Dom Luiz, arcebispo de Manaus, demais autoridades, povo de Manaus, boa tarde.

É com imenso prazer que venho hoje a esta celebração, pois para mim, não se trata apenas de uma Festa Cristã, mas uma festa na qual pude colaborar de uma forma bastante especial. 
Há pouco mais de um ano, lembro-me de estar em uma missa dominical na Igreja de São Sebastião, quando na hora do ofertório, me dei conta de não ter qualquer valor na bolsa para o ofertório, porém, naquele momento, me ajoelhei e ofereci a Deus o que Ele mesmo tinha me dado, aquilo que eu tinha de melhor em mim, o meu talento. Em minha oração disse a Ele que se precisasse de mim, me mandasse a tarefa a ser feita.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Anúncio do Concílio Vaticano II no Natal de 1961

beato João XXIII (papa entre 1958 e 1963)
O dia de Natal de 1961 foi a data escolhida pelo Papa João XXIII para anunciar ao mundo que tinha chegado a "hora de convocar o Concílio Ecumênico Vaticano II". O bem-aventurado assinava, há 50 anos, a constituição apostólica 'Humanae Salutis', quase três anos depois de ter anunciado a intenção de convocar um concílio, 25 de janeiro de 1959, o 21.º da história da Igreja.
"Nós, desde quando subimos ao supremo pontificado, não obstante nossa indignidade e por um desígnio da Providência, sentimos logo o urgente dever de conclamar os nossos filhos para dar à Igreja a possibilidade de contribuir mais eficazmente na solução dos problemas da idade moderna", escrevia.
Para o Papa Roncalli, que viria a falecer antes da conclusão deste evento eclesial, "a jubilosa repercussão que teve seu anúncio, seguida da participação orante de toda a Igreja e do fervor nos trabalhos de preparação, verdadeiramente encorajador, como também o vivo interesse ou, pelo menos, a atenção respeitosa por parte de não-católicos e até de não-cristãos demonstraram, da maneira mais eloquente, como não escapou a ninguém a importância histórica do acontecimento".
João XXIII desejava uma "demonstração da Igreja, sempre viva e sempre jovem, que sente o ritmo do tempo". "Ao mundo perplexo, confuso, ansioso sob a contínua ameaça de novos e assustadores conflitos, o próximo concílio é chamado a oferecer uma possibilidade de suscitar, em todos os homens de boa vontade, pensamentos e propósitos de paz", podia ler-se. Angelo Guiseppe Roncalli, João XXIII, tinha sido eleito a 28 de outubro e investido a 4 de novembro de 1958, pelo que esta decisão causou "surpresa", como refere o historiador e padre Senra Coelho, do Instituto Superior de Teologia de Évora, num texto publicado no semanário Agência ECCLESIA.
O investigador lembra que "o Concílio Vaticano I fora adiado sine die, devido às dificuldades políticas surgidas com os movimentos promotores da unificação de Itália", em 1870. Segundo o padre Senra Coelho, "com a realização do Concílio Vaticano II mudou o olhar da Igreja para o mundo e muitos dos que estiveram sob suspeita, foram depois referência e assumiram atuações de primeira ordem". Paulo Rocha, diretor da Agência ECCLESIA, sublinha os contributos enviados para Roma nos três anos anteriores à realização das sessões conciliares, quando foram pedidos temas para debate e sugestões para o desenrolar dos trabalhos: "A Roma chegaram quase 2 mil respostas, onde estavam mais de 9 mil propostas".
"Depois, os anos de reunião, no Vaticano: 2500 participantes no Concílio, observadores, peritos, consultores teológicos, tradutores e muitas outras pessoas para concretizar uma ideia do Papa João XXIII, expressão de procuras e interrogações de mulheres e homens dos meados do séc. XX na tentativa de adequar verdades eternas a novos contextos", acrescenta. O arcebispo emérito de Braga, Portugal, D. Eurico Nogueira Dias, recorda ainda hoje o "entusiasmo" com que recebeu a convocação e elogia o momento em que "a Igreja resolve encarar os problemas no seu conjunto", permitindo que o Concílio se tornasse "um lugar de discussão clara, pública e sem reservas".

Fonte: CNBB.

Missa do Natal do Senhor - 2011

Na noite de ontem, 25, Pe. Vicente Gregório celebrou a Santa Missa do Natal do Senhor. A missa contou com grande número de fiéis e irmãos vindos, inclusive, de outras comunidades e cidades. Visitou também nossa comunidade o Seminarista do 2º ano de Filosofia (em Teresina), o jovem Francisco de Assis, nosso irmão-paroquiano e "filho" da comunidade Lagoa do Prado.
Durante a homilia os coroinhas levaram a imagem do menino Jesus ao Presépio e o pároco fez a bênção do mesmo. Ao final da missa todos se dirigiram ao Presépio e recordaram a Santo Natal do Senhor! 

O Santo Padre Bento XVI na homilia da Missa da Noite de Natal (24/11 - "missa do galo"), assim comentou o sentido dessa grande festa cristã:
"Antes, os homens tinham falado e criado imagens humanas de Deus, das mais variadas formas; o próprio Deus falara de diversos modos aos homens (cf. Heb 1, 1: leitura da Missa do Dia). Agora, porém, aconteceu algo mais: Ele manifestou-Se, mostrou-Se, saiu da luz inacessível em que habita. Ele, em pessoa, veio para o meio de nós. Na Igreja antiga, esta era a grande alegria do Natal: Deus manifestou-Se. Já não é apenas uma ideia, nem algo que se há-de intuir a partir das palavras. Ele «manifestou-Se». Mas agora perguntamo-nos: Como Se manifestou? Ele verdadeiramente quem é? A este respeito, diz a leitura da Missa da Aurora: «Manifestaram-se a bondade de Deus (…) e o seu amor pelos homens» (Tt 3, 4). Para os homens do tempo pré-cristão – que, vendo os horrores e as contradições do mundo, temiam que o próprio Deus não fosse totalmente bom, mas pudesse, sem dúvida, ser também cruel e arbitrário –, esta era uma verdadeira «epifania», a grande luz que se nos manifestou: Deus é pura bondade. Ainda hoje há pessoas que, não conseguindo reconhecer a Deus na fé, se interrogam se a Força última que segura e sustenta o mundo seja verdadeiramente boa, ou então se o mal não seja tão poderoso e primordial como o bem e a beleza que, por breves instantes luminosos, se nos deparam no nosso cosmos. «Manifestaram-se a bondade de Deus (…) e o seu amor pelos homens»: eis a certeza nova e consoladora que nos é dada no Natal." (Cf. Homilia)

Sucesso da Campanha "Natal sem Fome-2011"

Na noite de quinta-feira, 21, a Coordenação da 9ª edição da Campanha Natal sem Fome-2011 - "Reparta seu pão com quem tem fome" (Tb 4,16) - reuniu-se com a sociedade civil, fiéis leigos, padres, religiosos e religiosas a fim de agradecer o empenho e dedicação e celebrar o sucesso dessa última Campanha. A meta era arrecadar 25 toneladas de alimentos, e felizmente a equipe pôde comemorar a arrecadação de ­­­­­­­­­­­­­29.732, 939 kg, ou seja, quase 30 toneladas de alimentos.
O total de alimentos arrecadados por paróquias em nossa cidade foi o seguinte:
  • PARÓQUIA SÃO SEBASTIÃO (Organizadora da Campanha deste ano) – 9.267 kg;
  • PARÓQUIA N. S. DA GRAÇA (Catedral) – 6.079, 173 kg;
  • PARÓQUIA N. S. DE FÁTIMA – 6. 015, 82 kg; 
  • PARÓQUIA SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS – 2.968, 365 kg.
  • PARÓQUIA DE FREI GALVÃO (nossa paróquia) – 1.577, 865 kg;
  • PARÓQUIA DE SANTA ANA – 1. 425, 28 kg;
  • PARÓQUIA DE SANTA LUZIA – 483, 7 kg;
  •  PARÓQUIA N. S. DA CONCEIÇÃO (Ilha Grande do Piauí) – 304, 75 kg. 
TOTAL: 29. 732, 939 kg 
A Coordenação conseguiu organizar 3.200 cestas e 400 foram enviadas às Paróquias a fim de procederem as doações!
Nossa comunidade, no final da manhã de hoje, 26/12, Festa de Santo Estêvão - Diácono e 1º mártir cristão (Atos dos Apóstolos caps. 6 e 7), realizamos a entrega de 29 cestas à famílias carentes!


Além das Cestas fizemos a entrega de algumas peças para enxoval de 2 bebês (recém-nascidos) em nossa comunidade - este, era o gesto concreto da nossa Novena de Natal-2011, encerrada no dia último dia 22.

Obrigado a você que colaborou com a Campanha Natal Sem Fome-2011! Continue ajudando a Igreja nessa missão! 
Deus lhe dará a recompensa!

Fonte: Diocese de Parnaíba.

sábado, 24 de dezembro de 2011

POR UM NATAL CRISTÃO

Há poucos dias, notadamente no dia trinta e um de outubro, o relógio populacional do mundo anunciou que a terra atingiu a marca histórica de 7 bilhões de habitantes. Não sei como esta notícia foi recebida e entendida pela maioria do nosso povo. O fato é que este anúncio se fez notícia, girou o mundo e foi manchete e cobertura de jornais, revistas e das redes sociais.
Nossa Senhora da Missão
A grandeza deste número, sobretudo o algarismo zero, repetido várias vezes, pode impressionar e exercer uma atração, positiva ou negativa, muito forte nas pessoas. O tamanho da população implicaria em habitação, alimentação, saúde, educação, segurança, migração... em “mais uma boca” - como diz uma canção - e a terra não suportaria mais tanta gente.
No entanto, isto não nos deve deixar encantados e nem simplesmente admirados. Estudo mais recente e mais acurado mostra, ao contrário, que a contagem da população está é em decréscimo e desacelerado (cf. CNBB: Nota Análise de Conjuntura – novembro de 2011), e que a população brasileira está um por cento menor do que era previsto.
Outra notícia, no entanto, deve deixar-nos alegres e felizes. Pesquisa recente revela que 1 bilhão e 160 milhões são católicos, e que a Igreja católica recebe 34 mil católicos por dia. O triste destes dados é saber que a 2 bilhões de pessoas, a mensagem do evangelho de Jesus Cristo ainda não chegou.
O natal é uma oportunidade para revermos estes números, decodificá-los e vivenciá-los. Natal é um tempo propício para se refletir sobre a fecundidade de Deus. Todo santo dia Ele presenteia o mundo com mais um filho ou filha, sem se importar com quem teima em pensar que a casa está cheia e que, por isto, não cabe mais ninguém. A estes dirá Jesus: “na casa do meu Pai há muitas moradas”.
A Igreja anunciará brevemente, no dia 25 de dezembro, o nascimento de mais uma Criança. Será então que haverá lugar no mundo para ela, pois, no tempo de Jesus não havia lugar na hospedaria para Ele (Lc 2,7).
Natal é a vida que nasce, é o Verbo que se fez carne, é um Menino que nos é dado. Neste natal, mais uma criança nascerá e precisará crescer em sabedoria, estatura e graça diante de Deus e dos homens (Lc 2,40). Natal é tempo de amar, rever, viver e refazer a nossa opção de vida, pela vida e em seu favor. Jesus nasce em cada ato de amor e de caridade. Todo ato de amor faz gerar Cristo no mundo.
E, para finalizar, a pergunta então que deve ser feita é a seguinte: o que fazer para celebrar um natal cristão? Um natal para ser cristão deve se tornar missão: missão de Deus, missão de Jesus; missão de Maria, missão da Igreja; minha missão, sua missão, nossa missão: abrir as mãos e o coração, beber o cálice desta missão, amar e servir o irmão! Tenho sede desta missão. Sem esta missão não há natal cristão. Festa, comida, bebida, presente, Papai Noel, cartão, comércio..., enfim, nada disto faz o natal cristão. O que faz o natal cristão é a missão. É preciso falar do natal para que ele fale ao nosso coração. No natal é preciso tocar em Jesus para ser tocado por Ele. Um natal cristão se vive como se vive a missão: com os pés que partem, os joelhos que rezam e as mãos que partilham.
Portanto, abra seu coração, em oração, para acolher o Senhor da missão e assim celebrar um natal cristão.
Um santo e abençoado natal cristão para todos e todas.
Dom Pedro Brito Guimarães
Arcebispo Metropolitano de Palmas-TO

(2º bispo de S. Raimundo Nonato-PI )



 

Nosso augúrio Natalino


Participe, Você e Família, da Santa Missa do Natal do Senhor, amanhã, 25, na Capela da Comunidade, às 19h!!!!!

O Natal de 2011 e o Ano de 2012

Clicando nas imagens, leia as mensagens de nosso pastor diocesano, Dom Alfredo Scháffler, sobre o Natal de Nosso Senhor JESUS CRISTO e do Vigário-geral da Diocese e pároco em Ilha Grande do Piauí, Monsenhor Vitório Ferrari sobre o "ANO DA FÉ (2012-2013)" proclamado pelo Santo Padre Bento XVI através da Carta Apostólica "Porta Fidei".

Fonte: "Informativo Millenium", jornal da Diocese de Parnaíba, 
Ano X, nº. 80 (novembro-dezembro/2011).

Fonte: "Informativo Millenium", jornal da Diocese de Parnaíba, 
Ano X, nº. 80 (novembro-dezembro/2011).

Natal: por que 25 de dezembro?

Se procurarmos no Evangelho indicação sobre o dia do nascimento de Jesus, nada encontraremos. Na visão dos apóstolos e evangelistas, não se tratava de um fato digno de registro; no centro de sua pregação estava a ressurreição do Senhor. A preocupação que tinham, ao falar dele a quem não o conhecia, era clara: apresentar uma pessoa viva, não alguém do passado. É o que notamos, por exemplo, nos dez discursos querigmáticos (querigma: primeiro anúncio; apresentação das verdades centrais do cristianismo) que encontramos nos Atos dos Apóstolos. A idéia fundamental desses discursos é a mesma: “A este Jesus, Deus o ressuscitou; disso todos nós somos testemunhas” (At 2,32).
Voltemos ao Natal. No tempo do Papa Júlio I, que dirigiu a Igreja do ano 337 a 352, é que foi introduzida essa solenidade no calendário da Igreja. Até então celebrava-se apenas a festa da Epifania – isto é, a manifestação do Senhor aos povos pagãos, representados pelos magos do Oriente. Ficava assim claro que Jesus era o Salvador de todos os povos, e não apenas de um só povo. Por que, então, 25 de dezembro como data do Natal?
O Império Romano havia decidido que todos os povos deveriam comemorar a festa do “sol invicto”, o renascimento do sol invencível. Era invencível uma vez que caía (morria) de noite e renascia a cada manhã, eternamente. Esse renascimento diário era celebrado no dia 25 de dezembro. O sol era também símbolo da verdade e da justiça, igualmente consideradas invencíveis uma vez que, por mais que muitos tentassem destruí-las, sempre renasciam vitoriosas. O sol, considerado um deus, era uma luz poderosa, que iluminava o mundo inteiro. Igualmente a verdade e a justiça eram luzes poderosas para todos os povos.
Em vez de simplesmente combater essa festa pagã, os cristãos passaram a apresentar Jesus Cristo, nascido em Belém, como o verdadeiro sol, já que nos veio trazer a verdade e a justiça. Também ele passou pela morte, mas dela ressurgiu, mostrando que era invencível. Seu nascimento – isto é, seu natal –, já que não se sabia em que dia havia ocorrido, passou a ser celebrado no dia do sol invicto.
A tradição – louvável tradição! – dos presépios é posterior: na noite de Natal de 1223, em Greccio – Itália, S. Francisco de Assis fez o primeiro presépio. Ele maravilha-se que Jesus, o Filho de Deus, havia-se encarnado para que pudéssemos conhecer o rosto de Deus. Com Jesus, passamos a ter em nosso meio um Deus que “trabalhou com mãos humanas, pensou com inteligência humana, agiu com vontade humana, amou com coração humano. Nascido da Virgem Maria, tornou-se verdadeiramente um de nós, semelhante a nós em tudo, exceto no pecado” [Constituição Pastoral "Gaudium et Spes", do Concílio Vaticano II, nº. 22). Como não representar, então, seu nascimento, ocorrido numa gruta de Belém? Ao longo dos tempos e dos lugares, cada povo foi deixando suas próprias marcas nos presépios. [...]
O nascimento de Jesus é o fato central da história da humanidade; tanto assim que contamos os anos a partir desse acontecimento. Na proximidade do Natal, caminhemos ao encontro do Menino que nos é dado, para contemplá-lo e lhe dizer: “Vimos te adorar, Menino Jesus. Estamos maravilhados diante da grandeza e da simplicidade do teu amor! Tu agora estás conosco para sempre! Tu, pobre, frágil, pequeno... para nós, para mim! Em ti resplende a divindade e a paz. Tu nos ofereces a vida da graça. Teu sorriso volta-se para os pequenos, pobres e simples. Por isso, depositamos a teus pés nossas orações, nossa vida e tudo o que somos e temos. Olha com especial carinho, contudo, para todos aqueles que não te conhecem e, por não te conhecerem, não te amam. Amém!”

Dom Murilo Sebastião Ramos Krieger, scj
Arcebispo de São Salvador da Bahia e Primaz do Brasil
Fonte: CNBB. 

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Missa de Frei Galvão e Natal-2011

Na noite desta sexta-feira, antevéspera de Natal, os irmãos da Comunidade, contrataram a Van 31 e foram à Matriz paroquial de Santo Antônio de Santana Galvão na oportunidade em que participaram da Santa Missa e receberam as pílulas milagrosas do Frei Galvão, de modo especial, hoje, quando completou-se os 189 anos do “Dies natalis”, ou seja, o “nascimento" de nosso padroeiro para o "Céu"!


Pe. Vicente, antes de encerrar a Santa Missa, anunciou a Ordenação Diaconal do Seminarista Francisco José (Dedeca), que é "filho" de nossa comunidade-matriz e que está prevista para o dia 2 de fevereiro/2012. O pároco apresentou ainda aos fiéis a Imagem-peregrina de N. Sra. Aparecida que veio diretamente da Diocese de Presidente Prudente-SP -  (Não do Santuário Nacional, como havíamos anunciado neste blog. Perdoe-nos o contratempo na informação!)
Essa imagem-peregrina da Padroeira do Brasil visitará 225 dioceses onde existem o ECC (Encontros de Casais com Cristo), porque em 13, 14 e 15 de julho/2012 na citada diocese acontecerá o 20º Congresso Nacional do ECC. Confira o Cartaz ao lado e mais informações sobre o evento, visite o site da Diocese de Presidente Prudente-SP aqui!
Ao final da Santa Missa os grupos de jovens da matriz apresentaram um auto natalino.
No próximo dia 25, aqui na comunidade haverá Missa no Natal do Senhor, às 19 horas! Participe!

Patrono dos MESC (Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão) do Brasil

No último dia 12 de dezembro fez 6 anos que a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB comunicou que a Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, da Santa Sé, aprovou a eleição do Bem-aventurado Mateus Moreira como Patrono dos Ministros extraordinários da Comunhão no Brasil.   
O beato Mateus Moreira é um dos 30 mártires do Rio Grande do Norte, beatificados pelo Papa João Paulo II em 5 de março de 2000. 

Festa litúrgica: 3 de outubro

Fazia parte do grupo de moradores do Rio Grande que foi sacrificado em Uruaçu, em 3 de outubro de 1645. A descrição de sua morte é considerada o ponto mais expressivo da trágica narrativa do martírio de Uruaçu. O belíssimo testemunho de fé na Eucaristia, confessada na hora da morte, foi lembrado pelo Papa João Paulo II na Homilia de Encerramento do XII Congresso Eucarístico Nacional, em Natal, RN, em 1991, e também na missa da beatificação. Os algozes arrancaram-lhe o coração pelas costas, e ele morreu exclamando: “Louvado seja o Santíssimo Sacramento”. Por esse motivo, a CNBB, na 43ª Assembléia Geral, em agosto/2005, em Itaici, elegeu o Beato como patrono dos ministros extraordinários da comunhão no nosso país, e a indicação foi aprovada oficialmente pela Santa Sé em 12 de dezembro de 2005. 
Que o testemunho de fé de Mateus Moreira possa servir de encorajamento e exemplo para os milhares de Ministros Extraordinários da Comunhão no Brasil, e em especial para o Sr. Alvino e Hermerson Saulo, ministros de nossa comunidade. Que eles sejam zelosos na caridade e fiéis anunciadores da presença transformadora do Senhor na Eucaristia.

Encerramento da Novena de Natal - 2011

Aconteceu nessa quinta-feira, 22, o último Encontro da Novena de “Natal em Família-2011”. A celebração aconteceu na Capela da Comunidade e foi animada pelo Catequista Hermerson Saulo. 
Nessa última novena deu-se destaque ao ambão, lugar da Proclamação da Palavra de Deus, sinal de Cristo Morto-Ressuscitado. Fez-se, por longos minutos, o uso da vela, simbolizando o compromisso de todo cristão que é irradiar a luz de Cristo aos irmãos e irmãs que estão afastados de nossa Igreja.
Todos fizeram votos para que neste Natal cada cristão faça a entrega de corpo e alma – vida – como presente ao Senhor Jesus.


Ontem, 21, penúltimo dia da Novena, o encontro na residência da presidente da Associação de Moradores do Broder Ville, dona Maria do Socorro. Ela é membro do Apostolado da Oração da comunidade.
Esperamos que esses 9 dias tenham despertado em cada irmão a busca de Deus e a quere estar sempre perto do Senhor, já que Ele é o “Emanuel”, o Deus Conosco!
Feliz Natal a tod@!

P.S.: Participe hoje, dia 23, às 19 no Conj. Joaz Souza, em nossa matriz paroquial, da "Missa de Frei Galvão"!
Venha para a Santa Missa de Natal aqui no domingo, 25, às 19h!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Atividades do Papa em 2011

Na manhã desta quinta-feira, 22, o Santo Padre Bento XVI, fez um balanço de suas atividades no Ano do Senhor de 2011. 
O Sumo Pontífice destacou o problema da crise de fé no mundo e, que por isso ele proclamou o Ano da Fé (2012-2013) e enfatizou bastante os aspectos positivos da última Jornada Mundial da Juventude, em Madri. 
Eis o discurso do papa:
DISCURSO DO PAPA BENTO XVI
POR OCASIÃO DA TROCA DE VOTOS NATALÍCIOS
COM OS CARDEAIS, A CÚRIA ROMANA
E A FAMÍLIA PONTIFÍCIA
Sala Clementina
Quinta-feira, 22 de Dezembro de 2011


Senhores Cardeais,
Venerados Irmãos no Episcopado e no Presbiterado,
Amados irmãos e irmãs!

Um momento como este que vivemos hoje reveste-se sempre de particular intensidade. O Santo Natal já está perto e a grande família da Cúria Romana sente-se impelida a reunir-se para trocar entre si venturosos votos que encerram o desejo de viver, com alegria e verdadeiro fruto espiritual, a festa de Deus que encarnou e pôs a sua tenda no meio de nós (cf. Jo 1, 14). Esta ocasião permite-me não só apresentar-vos os meus votos pessoais, mas também exprimir a cada um de vós o agradecimento, meu e da Igreja, pelo vosso generoso serviço; peço-vos que o façais chegar também a todos os colaboradores que formam a nossa grande família. Um obrigado particular ao Cardeal Decano Ângelo Sodano, que se fez intérprete dos sentimentos dos presentes e de quantos trabalham nos diversos Departamentos da Cúria, do Governatorado, incluindo aqueles que realizam o seu ministério nas Representações Pontifícias espalhadas por todo o mundo. Todos nós estamos empenhados em fazer com que o pregão que os Anjos proclamaram na noite de Belém – «Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens do seu agrado» (Lc 2, 14) – ressoe por toda a terra levando alegria e esperança.
No fim deste ano, a Europa encontra-se no meio duma crise económica e financeira que, em última análise, se fundamenta na crise ética que ameaça o Velho Continente. Embora certos valores como a solidariedade, o serviço aos outros, a responsabilidade pelos pobres e atribulados sejam em grande parte compartilhados, todavia falta muitas vezes a força capaz de motivar e induzir o indivíduo e os grandes grupos sociais a abraçarem renúncias e sacrifícios. O conhecimento e a vontade caminham, necessariamente, lado a lado. A vontade de preservar o lucro pessoal obscurece o conhecimento e este, enfraquecido, é incapaz de revigorar a vontade. Por isso, desta crise surgem interrogações fundamentais: Onde está a luz que possa iluminar o nosso conhecimento não apenas com ideias gerais, mas também com imperativos concretos? Onde está a força que sublime a nossa vontade? São questões às quais o nosso anúncio do Evangelho, a nova evangelização, deve dar resposta, para que a mensagem se torne acontecimento, o anúncio se torne vida.
Com efeito, a grande temática tanto deste ano como dos anos futuros gira à volta disto: Como anunciar hoje o Evangelho? Como pode a fé, enquanto força viva e vital, tornar-se realidade hoje? Os acontecimentos eclesiais deste ano que está a terminar referiam-se todos, em última análise, a este tema. Entre eles contam-se as minhas viagens à Croácia, a Espanha para a Jornada Mundial da Juventude, à minha pátria da Alemanha e, por fim, à África – ao Benim – para a entrega da Exortação pós-sinodal sobre justiça, paz e reconciliação; documento este, que se deve traduzir em realidade concreta nas diversas Igrejas particulares. Não posso esquecer também as viagens a Veneza, a São Marino, a Ancona para o Congresso Eucarístico e à Calábria. E tivemos, enfim, a significativa jornada de Assis, com o encontro entre as religiões e entre as pessoas em busca de verdade e de paz; jornada concebida como um novo impulso na peregrinação para a verdade e a paz. A instituição do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização constitui, simultaneamente, um prenúncio do Sínodo sobre o mesmo tema que terá lugar no próximo ano. E entra também neste contexto o Ano da Fé, na comemoração da abertura do Concílio há cinquenta anos. Cada um destes acontecimentos revestiu-se de acentuações próprias. Na Alemanha, país onde teve origem a Reforma, naturalmente teve uma importância particular a questão ecuménica com todas as suas fadigas e esperanças. Indivisivelmente associada com ela, levanta-se sempre de novo, no centro da disputa, a questão: O que é uma reforma da Igreja? Como se realiza? Quais são os seus caminhos e os seus objectivos? É com preocupação que fiéis crentes, e não só, notam como as pessoas que frequentam regularmente a Igreja se vão tornando sempre mais idosas e o seu número diminui continuamente; notam como se verifica uma estagnação nas vocações ao sacerdócio; como crescem o cepticismo e a descrença. Então que devemos fazer? Existem discussões sem fim a propósito do que se deve fazer para haver uma inversão de tendência. E certamente é preciso fazer tantas coisas; mas o fazer, por si só, não resolve o problema. O cerne da crise da Igreja na Europa, é a crise da fé. Se não encontrarmos uma resposta para esta crise, ou seja, se a fé não ganhar de novo vitalidade, tornando-se um convicção profunda e uma força real graças ao encontro com Jesus Cristo, permanecerão ineficazes todas as outras reformas.
Neste sentido, o encontro com a jubilosa paixão pela fé, na África, foi um grande encorajamento. Lá não se sentia qualquer indício desta lassidão da fé, tão difusa entre nós, não havia nada deste tédio de ser cristão que se constata sempre de novo no meio de nós. Apesar de todos os problemas, de todos os sofrimentos e penas que existem, sem dúvida, precisamente na África, sempre se palpava a alegria de ser cristão, o ser sustentado pela felicidade interior de conhecer Cristo e pertencer à sua Igreja. E desta alegria nascem também as energias para servir Cristo nas situações opressivas de sofrimento humano, para se colocar à sua disposição em vez de acomodar-se no próprio bem-estar. Encontrar esta fé disposta ao sacrifício e, mesmo no meio deste, jubilosa é um grande remédio contra a lassidão de ser cristão que experimentamos na Europa. 
E um remédio contra a lassidão do crer foi também a magnífica experiência da Jornada Mundial da Juventude, em Madrid. Esta foi uma nova evangelização ao vivo. De forma cada vez mais clara vai-se delineando, nas Jornadas Mundiais da Juventude, um modo novo e rejuvenescido de ser cristão, que poder-se-ia caracterizar em cinco pontos.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Novena "NATAL EM FAMÍLIA" 2011

Editora Halley
Desde terça-feira da semana passada estão acontecendo encontros preparatórios para a festa do Natal do Senhor. São as já tradicionais novenas de "Natal em Família". Neste ano, em todo nosso Regional (CNBB-NE IV) estamos usando o subsídio litúrgico "Natal em Família-2011: da mulher nasce o amor".
Na noite de hoje, o 7º dia da Novena, o Encontro aconteceu na família da catequista Arlene. Vários irmãos participaram. O tema refletido foi: "Com Jesus renascemos" e a Palavra de Deus proclamada e partilhada foi o Evangelho Segundo João, 3, 1-8.
Ao final, a dona da casa partilhou conosco uma deliciosa merendinha! Obrigado Dona Arlene pela recepção em sua casa!

Amanhã, se Deus quiser, nos encontraremos de novo, às 19h, porém, na casa de Dona Mª. Socorro e Bossuet, na Rua-D do Conj. Broder Ville.

No dia 22, quinta-feira, última dia novena em preparação ao Natal, acontecerá na Capela da Comunidade!! 

No dia 23, sexta-feira, na tradicional Missa votiva à Frei Galvão, em nossa igreja-matriz paroquial no Conj. Joaz Souza, iremos participar e nem poderemos faltar, pois durante 3 dias uma réplica de nossa padroeira, N. Sra. Aparecida, vinda diretamente do Santuário Nacional (Aparecida-SP) peregrinará em nossa paróquia. A Missa, lembrará também os 189 anos da partida do 1º Santo Brasileiro à Casa do Pai Eterno! Ao final da "Missa de Frei Galvão", por volta das 20h, acontecerá um II Auto de Natal.

Venha! Participe conosco dessas celebrações!!

Primeira índia americana a ser Canonizada

Beata Catarina Tekakwitha
Em breve será canonizada a primeira “pele vermelha” da América. Catarina Tekakwitha é uma das próximas quatro Santas das quais Bento XVI reconheceu a intercessão de um milagre. Catarina Tekakwitha, nasceu em 1656 nos Estados Unidos e faleceu em 1680 no Canadá. Sua mãe era uma indígena cristã e seu pai chefe indígena da nação Mohawks. Ao final de sua curta vida, tornou-se conhecida por seus feitos milagrosos e fez com que outros indígenas se convertessem ao cristianismo.
O processo de sua canonização começou em 1884. Em 1943, o Papa Pio XII a declarou venerável e, em 1980, foi beatificada, juntamente com o Beato José de Anchieta - "Apóstolo do Brasil", pelo papa João Paulo II. Com o novo milagre reconhecido, Catarina já pode ser canonizada. Sua festa litúrgica já é comemorada em 14 de julho.
O reconhecimento está entre os vinte e três milagres autorizados ontem pelo Santo Padre, entre os quais também se encontra o reconhecimento de um milagre de Padre Luigi Novarese (19 14-1984), sacerdote fundador da Pia União Primária dos Silenciosos Operários da Cruz. Novarese trabalhava na sessão de relações exteriores da Secretaria de Estado vaticana durante a Segunda Guerra Mundial e era responsável pelo programa do então Papa Pio XII para a assistência aos refugiados nos conventos e em estruturas eclesiásticas sob ocupação nazista.
Os milagres foram promulgados em decretos da Congregação para a Causa dos Santos em audiência ocorrida ontem de manhã ao Prefeito da congregação, Cardeal Angelo Amato.
O primeiro indígena a ser canonizado foi o leigo São Juan Diego Cuauhtlatoatzin (Cf. Matéria relacionada.), aquele que viu Nossa Senhora de Guadalupe. Este, fora canonizado pelo beato papa João Paulo II em 2002.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

CNBB lança concurso para música do hino da CF 2013

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) está lançando o concurso para a música do Hino da Campanha da Fraternidade de 2013. A letra já foi escolhida a partir de concurso próprio e as composições para a música devem ser enviadas à CNBB até dia 25 de março de 2012.
A Campanha da Fraternidade de 2013 tem como tema “Fraternidade e juventude”, e lema: “Eis-me aqui, envia-me!” (Cf. Eclo, 38,8)
“Refletir sobre a realidade das juventudes no contexto da atual cultura midiática, para compreender seu impacto na vida dos jovens à luz do evangelho, acolhendo-os como sujeitos e, com eles, construir relações e estruturas que promovam a Vida”, é o objetivo geral da Campanha da Fraternidade de 2013.
“A CNBB agradece a todos os que participaram do concurso da letra e solicita a colaboração dos compositores para a criação de uma música fluente e bela para o hino da CF 2013, contribuindo no trabalho de evangelização da juventude”, afirmou o assessor da CNBB para a Música Litúrgica, padre José Carlos Sala.

CF 2013 – Letra para o hino

Tema: FRATERNIDADE E JUVENTUDE
Lema: “EIS-ME AQUI, ENVIA-ME!” (Is 6,8)
Letra: Gerson Cesar Souza
 1. Sei que perguntas, juventude, de onde veio
este teu jeito sempre novo e verdadeiro.
É que Eu plantei em ti, desde o materno seio,
esta vontade de mudar o mundo inteiro.

Estou aqui, Senhor, sou Jovem, sou teu povo!
Tenho fome de justiça e de mundo novo!
Eis-me aqui... Envia-me!
Pra formar a rede da fraternidade,
fazer na terra o novo céu, a tua vontade,
Eis-me aqui... Envia-me!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...