quarta-feira, 30 de março de 2011

APOSTOLADO DA ORAÇÃO

Dia 27/03, III Domingo da Quaresma, Domingo da “Água Viva” foram abençoadas pelo nosso pároco, Pe. Vicente, durante a Santa Missa, as fitas de quatro zeladoras e de dez sócios/as do grupo do Apostolado da Oração (AO) de nossa Comunidade.
O Apostolado da Oração é um grupo voltado para a espiritualidade ao Coração Transpassado de Jesus (que conforme o evangelho de João, jorrou sangue e água do alto da Cruz – sinais do sacramentos da Igreja).
Os membros desse grupo são chamados a rezar continuamente pela Igreja e de modo especial pelas intenções do Santo Padre que anualmente ele envia para a presidência mundial do grupo.
Até o final da década 90, do século passado, esse grupo já existia em nossa comunidade, hoje, passados vários anos, 14 pessoas resolveram reativar o grupo! Que grande alegria ver o AO voltando a se encontrar em nossa Igreja!
Ao final da Missa, Saulo, em nome da Coordenação, fez votos que este grupo realmente persevere e que nossa comunidade colha bons frutos das orações desses irmãos!
Como pede São Paulo: “Orai sem cessar” (I Ts 5, 17), busquemos imitar o AO, e isso nos fará muito bem!
Mais informações sobre o AO da comunidade, procure por dona Maria da Soledade, esposa do Sr. Raimundo (Mestrim), pois esta é a presidente do grupo.

Coordenação da Comunidade

Desde o dia 21 de março, que a Coordenação da Comunidade está sobre a responsabilidade apenas de uma tríade, Sr. Cláudio (Tesoureiro), Hermerson Saulo (Secretário) e dona Carlota (representante no Conselho de Pastoral), pois o Coordenador, Sr. Cristiano pediu uma “licença” para tratar de assuntos pessoais!
Rezemos para que nosso Coordenador resolva seus probleminhas e volte logo a dar sua colaboração à comunidade e, enquanto isso, a Coordenação que agora está uma tanto reduzida consiga levar a cabo o desenvolvimento da comunidade!

sexta-feira, 11 de março de 2011

Quarta-feira de Cinzas e a Quaresma

O texto a seguir foi escrito por Pe. Marcos Francisco, prebístero de nossa Diocese, vigário da Catedral de N. Sra. Mãe da Divina Graça. Neste o reverendo explica o sentido da Quarta-feira de Cinzas e da Quaresma!!
Veja!

"Hoje, iniciamos um período muito bonito na igreja. Não celebramos na Quaresma a tristeza mas a esperança. Na quaresma, período de quarenta dias, precisamos fazer penitencia sim mas não celebrarmos a tristeza. Vamos a partir de hoje fazer nosso retiro quaresmal para que possamos celebrar bem a Páscoa do Senhor.
A liturgia desta quarta feira de cinzas nos ensina que do pó viemos e ao pó retornaremos. Por isso, as cinzas usadas durante a celebração eucarística de hoje tem um sentido profundo para nós que muitos desconhecem. Muitos pensam que o gesto de receber as cinzas vem apagar os pecados com a mesma eficácia do sacramento da confissão como num gesto mágico. Alguns que se excederam durante o carnaval, desinformados sobre o significado desse símbolo, do significado da imposição das cinzas, às vezes, lotam as igrejas com essa motivação: que as cinzas recebidas venham apagar seus pecados.
Nesta quarta feira, as cinzas não tem o poder sacramental de apagar os pecados como o sacramento da confissão. O sentido dessa liturgia nos recorda não que os exageros vividos no carnaval são agora perdoados pelo simples fato de receber as cinzas. A igreja não ensina isso. As cinzas não tem um poder mágico ou sacramental de perdoar pecados.
Quaresma são quarenta dias, uma oportunidade para revermos nossa vida, um retiro espiritual para arrumarmos a casa de nosso coração para receber Jesus em uma casa bem arrumada e limpa.
O sacramento da confissão será uma ótima e necessária oportunidade para que nesse tempo de penitência possamos corrigir aquilo que não está bem em nós. A confissão é um modo eficaz para limparmos aquilo que não está arrumado na casa de nosso coração. Como está a nossa vida? O que precisamos arrumar em nossa casa? O que nos pesa e traz tristeza em nosso coração?
Receber as cinzas nos recorda que somos apenas criaturas e que de Deus viemos e para dele retornaremos. Não somos eternos e não somos deuses, podemos cair, temos falhas e por isso o sentido da caridade, da oração e do jejum tratados no evangelho de hoje: Mateus 6, 1-6.16-18.
A caridade nos ajuda a desapegar-nos das coisas criadas, das coisas que passam, a sairmos de nós mesmos. Precisamos sair de nosso egoísmo e ajudarmos as pessoas que muitas vezes não tem nem mesmo o necessário para viver.
A oração nos dá força para a caminhada que muitas vezes se apresenta cansativa. Até mesmo Jesus rezou; ele muitas vezes se retirava a um lugar deserto para orar, mesmo sendo Deus. No deserto Jesus se colocou em oração.
O jejum, que não é algo do passado ou abolido pela Igreja, nos educa por meio do sacrifício a colocarmos nossos olhares e sentimentos para o principal em nossa vida. Podemos nos privar nesse período de certos alimentos, mas não somente isso, também por este período podemos deixar, por um tempo, por exemplo, algumas coisas boas mas que não são necessárias para a nossa vida como uma forma de sacrifício. Para que? Para que nosso coração se volte Aquele que é o Criador de tudo e que nos deu tudo como presente."


quarta-feira, 9 de março de 2011

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2011

Hoje, em comunhão com a Igreja do Brasil, na missa das 17h30min também abriremos a Campanha da Fraternidade  2011 em nossa comunidade; a mesma será melhor desenvolvida nas celebrações da Via-Sacra que serão realizadas todas as 6ª-feiras na Capela e nos Encontros Quaresmais que serão realizados nas famílias da comunidade!
Veja a matéria publicada no site da CNBB sobre a Abertura da CF em nível nacional, que  já acontece há 47 anos aqui no Brasil no tempo Quaresmal:


Na próxima, quarta-feira, 9, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) abre oficialmente a Campanha da Fraternidade 2011 (CF), que tem por tema: “Fraternidade e a Vida no Planeta” e lema: “A criação geme em dores de parto” (Rm 8,22). O ato de lançamento nacional, aberto à imprensa, acontece no auditório Dom Helder Câmara, na sede da CNBB, em Brasília, às 14h30, e será presidido pelo secretário geral da Conferência dos Bispos, dom Dimas Lara Barbosa.
A programação será bastante objetiva, iniciando com a apresentação da mensagem do papa Bento XVI, saudando a Campanha. Em seguida, o secretário executivo da CF, padre Luiz Carlos Dias, exporá os objetivos da Campanha, bem como a dinâmica de sua realização nas dioceses, paróquias e comunidades do país. O secretário geral da CNBB, dom Dimas Lara Barbosa, encerra o ato falando sobre as expectativas da Igreja com a Campanha. Terminada a cerimônia, dom Dimas atende os jornalistas, numa coletiva de imprensa.
Esta é a 47ª Campanha da Fraternidade desde que foi criada em 1964. A conscientização sobre o aquecimento global e as mudanças climáticas está entre os principais objetivos da Campanha. A busca de ações que preservem a vida no planeta é outra meta da CF.
Com 124 páginas e dividido em quatro partes, o texto-base, carro-chefe da CF, apresenta o conteúdo a ser discutido ao longo da Campanha. Na primeira, faz uma análise da realidade procurando estabelecer as causas do aquecimento global e das mudanças climáticas. Toca na relação que há entre o aquecimento global e as atividades humanas; questiona o modelo energético do país; denuncia o desmatamento e as queimadas, responsáveis por 50% da emissão de gases de efeito estufa no Brasil; interpela o agronegócio e o atual modelo de desenvolvimento. A Campanha vai alertar, ainda, para a ameaça à biodiversidade e para o risco da escassez de água no planeta.
A segunda parte do texto-base busca na bíblia, na teologia e na palavra da Igreja a fundamentação do tema e do lema da CF. Já na terceira parte, aponta diversas atitudes que podem ser tomadas por pessoas, comunidades, governo, empresas e instituições, com o objetivo de preservar a vida no planeta terra.
Para o secretário geral da CNBB, a Igreja é motivada pela fé quando discute temas como o proposto pela CF deste ano. “A fé nos torna específicos numa discussão como essa. A nossa fundamentação é teológica e se baseia no próprio projeto de Deus para com a criação e para com o ser humano”, explica dom Dimas. “A ecologia humana é um tema fundamental trazido pelo papa João Paulo II e, depois, por Bento XVI. De acordo com o papa, o centro do universo está na pessoa humana e, muitas vezes, as políticas públicas não levam em conta esses dois pontos, principalmente as pessoas mais vulneráveis, os mais pobres”, acrescenta.
O secretário executivo da CF, padre Luiz Carlos Dias, diz que a preocupação da Igreja com o meio ambiente está ligada à sua missão de defender a vida. “A Igreja demonstra suas preocupações com o estado de nosso planeta, que precisa de cuidados para que continue a oferecer as condições necessárias para a vida nele instalada”, disse o secretário.
Esta não é a primeira vez que a CF aborda o tema meio ambiente. Em 1979, a Campanha discutiu o tema “Preserve o que é de todos”; em 2004, “Fraternidade e Água – Água, fonte de vida”; e, em 2007, a Amazônia foi lembrada: “Fraternidade e Amazônia – vida e missão neste chão”.

TEMPO QUARESMAL

Hoje, Quarta-feira de Cinzas, iniciamos com o Rito de imposição das Cinzas o Tempo Quaresmal; tempo de mudança de vida (metanoia = conversão) – abandonar os costumes maus (velhos) e viver conforme a Palavra de Deus (tornar-se nova Criatura); é tempo propício para se preparar para a festa mais importante da Igreja – a Páscoa – celebração em que comemoramos a vitória da Vida sobre a Morte. Cristo, pagou alto preço pela nossa Redenção e nos abriu com sua Ressurreição as portas do Paraíso Celeste.
Nosso Papa, S. S. Bento XVI publicou recentemente sua Mensagem Quaresmal (Clique aqui) para esse ano. Nela nosso pastor nos recorda que a Quaresma, na Igreja Primitiva, era tempo para os catecúmenos se prepararem intensamente para a recepção dos sacramentos, hoje esse costume tem-se modificado, embora o RICA (Ritual da Iniciação Cristã de Adultos) oriente da mesma forma que no ínicio da Igreja. O pontífice conclama a todos nós, já batizados, a viver melhor o batismo! Vale à pena ler a Mensagem! Nela  o Santo Padre comenta também sobre os evangelhos dos cinco domingos desse tempo litúrgico.
A Quarta-feira de Cinzas é assim denominada porque no rito da Missa são colocadas sobre a cabeça dos fiéis cinzas em sinal de conversão, tal como é narrado em algumas passagens do Antigo Testamento. As cinzas lembram também nossa finitude, ou seja, somos pó e ao pó havemos de voltar e nossa alma deve voltar pro Criador, mas para isso se requer a vivência dos mandamentos divinos, caso não estejamos vivendo-os devemos mudar de vida (convertermo-nos)! Participe da Missa em sua paróquia/comunidade, pois essa celebração é uma verdadeira catequese!
Veja o que o papa Bento XVI disse hoje aos fiéis que lhe assistiram em sua Catequese permanente das quartas-feiras:
Queridos irmãos e irmãs,
Hoje está prevista, na celebração da Eucaristia, o rito da imposição das cinzas. Trata-se de um sinal que nos recorda a nossa condição de criaturas e nos convida à penitência e à conversão, para nos configurarmos cada vez mais com Cristo. A Igreja sabe que, à nossa fragilidade humana, custa fazer silêncio e parar diante de Deus, tomando consciência da nossa condição de criaturas que dependem d’Ele e necessitam do seu perdão. Por isso, na Quaresma, a Igreja convida a uma oração mais fiel e intensa e à meditação mais demorada da palavra de Deus. As leituras, que ouviremos na Missa dos próximos domingos e às quais vos convido a prestar especial atenção, propõem-nos o itinerário baptismal que, na tradição antiga, percorriam os catecúmenos – aqueles que se preparavam para o baptismo. Meditando-as, queremos reavivar em nós o dom, as exigências e os compromissos deste sacramento, que está na base da nossa vida cristã, a vida de ressuscitados com Cristo. 

(FONTE: http://www.vatican.va/holy_father/benedict_xvi/audiences/2011/documents/hf_ben-xvi_aud_20110309_po.html)

Nosso pároco, Pe. Vicente, virá celebrar Missa em nossa comunidade hoje às 17h30min, participe você e sua família!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...