terça-feira, 31 de janeiro de 2012

NOVA DATA PARA APRESENTAÇÃO DA LOGO DA JMJ Rio2013

Foi confirmada a nova data para o lançamento da Logomarca da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Rio2013: dia 7 de fevereiro, terça-feira próxima.
A cerimônia será às 20h no auditório do Edifício João Paulo II, na Glória, onde fica a sede do Comitê Organizador Local (COL/Rio), e contará com a presença de mais de 100 bispos de todo o Brasil, além de autoridades e representantes da sociedade.
Na ocasião, o Presidente do Comitê e Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, irá apresentar também o autor da logo, que foi escolhida através de concurso.
A expectativa é grande em torno da divulgação do símbolo de um dos maiores eventos que o Brasil irá sediar. Para aumentar a ansiedade e curiosidade, na véspera do evento, dia 6, o Cristo Redentor será iluminado com as cores de 150 países que deverão participar da JMJ Rio2013. Com isso, o próprio "embaixador" da Jornada fará o convite aos jovens do mundo inteiro para conhecerem a logomarca.
O lançamento, previsto anteriormente para o dia 1º de fevereiro, foi adiado em solidariedade a todos os familiares das vítimas do desabamento dos três prédios no Centro do Rio, no dia 25 de janeiro.
Em nota, Dom Orani João Tempesta manifestou seu pesar e conclamou a todos que rezem pelos falecidos, feridos e famílias atingidas pela dor que também é de toda a Arquidiocese. Durante a cerimônia de lançamento da logo, será feito um minuto de silêncio em homenagem às vítimas da tragédia.

(BF – Assessoria de Imprensa JMJ Rio2013)

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Apostolado da Oração em visita à Ilha Grande do Piauí

N. Sra. Mãe dos Pobres e Senhora do Piauí
A Coordenadora e os demais membros do grupo do Apostolado da Oração (A.O) da comunidade organizaram um passeio à cidade de Ilha Grande do Piauí na tarde deste último sábado (28/01).
A viagem teve como intenção favorecer a espiritualidade de todos os membros do grupo isso porque o ponto principal da viagem era conhecer e rezar no Santuário de Nossa Senhora Mãe dos Pobres e Senhora do Piauí, localizado nos "Morros da Mariana", região central do município  Ilha Grande do Piauí.
O Santuário começou a ser construído à partir de 1988 pelo Pe. Pedro Quiriti, 1º pároco da Paróquia de N. Sra. da Conceição de Ilha Grande com a ajuda de italianos!
Além das zeladoras e zeladores do A.O., inúmeros irmãos da comunidade também acompanharam-nas nessa visita.
Que a Virgem Maria atenda as orações desses irmãos que se dedicam à intercessão por todos os membros da comunidade! 

P.S.: Depois postaremos fotos do passeio!
Fazemos votos ainda para que Maria Santíssima console a família e os paroquianos (em Cocal-PI) do Pe. Everaldo, sacerdote diocesano que faleceu em Teresina no dia 27 depois de vários meses internado em Teresina onde fazia tratamento de uma bactéria no cérebro! Que o Senhor lhe dê como prêmio a Vida Eterna!


Quer saber mais sobre o Santuário de Nossa Senhora Mãe dos Pobres? Assista a um pequeno vídeo exibido em abril de 2011 na TV Costa Norte de Parnaíba:

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

SANTA MISSA COM PADRE CLODOMIRO

Pe. Clodomiro ensaiando
Aclamação com os fiéis.
A Santa Missa do 3º Domingo do Tempo Comum (Ano B) em nossa comunidade foi presidida pelo Pe. Clodomiro de Sousa e Silva, sacerdote de nossa diocese, mas que atualmente está em Teresina onde é Reitor do Seminário de Filosofia Dom Edilberto Dikelborg. O reverendo está em nossa cidade em “visita de trabalho”, dando aulas no Curso de Bacharelado em Teologia (promovido pela Diocese de Parnaíba e Universidade Federal do Piauí). Como nosso pároco, Pe. Vicente Gregório, está em viagem ao Rio Grande do Sul onde concluiu mais um Mestrado, agora em Teologia Pastoral, Pe. Clodomiro assumiu compromissos em nossa paróquia, onde também está hospedado!
Pe. Clodomiro chegou cedo à comunidade, procurou conhecer as lideranças e também se informou sobre os Cantos da Missa. Ensaiou ainda com os fiéis as aclamações para o momento da consagração na Oração Eucarística III que iria usar na Missa.
Pontualmente, às 19 horas, deu-se início a Santa Missa. Dona Alcione proclamou a 1ª Leitura (Jonas 3,1-5.10), Dona Rosário cantou o Salmo Responsorial (Sl 24) e Dona Rosa fez a 2ª Leitura (1º Coríntios 7,29-31). O padre visitante anunciou o Evangelho (Marcos 1,14-20) e pronunciou uma belíssima reflexão, cheia de muita unção sobre a Liturgia da Palavra do dia! “Em Cristo, completou-se o tempo!... O Reino está no meio de nós! O Reino de Deus é Deus reinando”. Eis algumas frases marcantes da homilia do reverendo.
 
  
Ao final da missa o animador, Hermerson Saulo, agradeceu a presença de todos, falou sobre a “missão” realizada no sábado no Res. Cerâmica Costa Norte e agradeceu a presença do Pe. Clodomiro. Em seguida, cantou-se os parabéns aos aniversariantes da semana que passou: Felipe Jr. (21) e nosso Coordenador, Seu Cristiano José (na última segunda-feira, 16)! 
Obrigado Pe. Clodomiro pela visita! Volte sempre!!!

Papa abençoa cordeiros que darão a lã para o Pálio

Santa Inês (Agnes)
No último sábado, 21, a Igreja recordou a Virgem e Mártir Santa Inês, e o Santo Padre Bento XVI abençoou dois cordeiros cuja lã será utilizada para confeccionar os pálios sagrados. O pálio é uma estola de lã branca com seis cruzes pretas bordadas ao seu longo e que expressa a unidade com o sucessor de Pedro. A estola é guardada numa urna no Altar da Confissão de São Pedro até o dia 29 de junho, quando o Papa a impõe, na Solenidade dos Santos Pedro e Paulo, aos novos arcebispos metropolitanos (nomeados no último ano). O gesto é um sinal da comunhão especial que os liga à Sé Apostólica. 
Os cordeiros são criados pelas religiosas (freiras) do convento romano de São Lourenço em Panisperna e oferecidos ao Pontífice pelos Cônegos Regulares Lateranenses no dia da memória litúrgica de Santa Inês, a mártir romana que a iconografia tradicional costuma retratar como um cordeiro pela similaridade do seu nome (Agnes, em latim) com a palavra cordeiro (agnus, em latim). 
Papa Bento XVI e seu pálio em destaque
Os Cônegos Regulares de Latrão atendem espiritualmente a Basílica de Santa Inês (onde a santa está enterrada), na Via Nomentana de Roma. 
Nas palavras de Bento XVI, em um discurso de 2008, o Pálio é imposto sobre os Arcebispos Metropolitanos como símbolo da sua comunhão hierárquica com o Sucessor de Pedro no governo do povo de Deus. Ele é confeccionado com lã de ovelha, em representação de Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo e o Bom Pastor que vela cautelosamente sobre o seu rebanho. O pálio recorda aos Bispos que, como Vigários de Cristo nas respectivas Igrejas locais, são chamados a ser Pastores a exemplo de Jesus. 
Dom Sérgio da Rocha 
(atual Arcebispo Metropolitano de Brasília, 
ex-metropolita de Teresina, recebendo  
o pálio em 29/062011)
Como símbolo do fardo do ministério episcopal, recorda também aos fiéis o seu dever de ajudar os Pastores da Igreja com as suas orações e de cooperar generosamente com eles para a propagação do Evangelho e o crescimento da Igreja de Cristo na santidade, unidade e caridade. 
Antigamente, no Ocidente, o pálio era o nome de um ornamento próprio do Sumo Pontífice desde o século V. Passou a ser de uso ordinário para os metropolitas (arcebispo) a partir do século IX. 

FONTES:
Rádio Vaticano
Zenit (2010)

domingo, 22 de janeiro de 2012

Missão no Residencial Cerâmica Costa Norte

Ontem, memória litúrgica de Santa Inês, Virgem e Mártir, no finalzinho da tarde,os irmãos/ãs de nossa Comunidade visitaram cerca de 70 famílias do Residencial Cerâmica Costa Norte e mais duas ruas projetadas, vizinhas ao Conj. Broder Ville.
O objetivo dessa “visita-missionária” foi convidar as famílias católicas daqueles logradouros para participarem ativamente das atividades religiosas na Capela de N. Sra. Aparecida, no Conj. Broder Ville.
Em cada residência visitada distribiu-se um folheto apresentando toda uma programação de celebrações na comunidade ao longo desse ano.
A ideia dessa missão foi do nosso Coordenador, Seu Cristiano, que há meses é cobrado por moradores daquelas regiões sobre os dias de "funcionamento" de nossa capela.
Esperamos que essa “missão” surta efeitos e mais irmãos/as venham construir conosco a Igreja e o Reino do Senhor!

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Aniversário de Dom Alfredo, nosso pastor

Hoje, 18 de janeiro, nosso pastor diocesano festeja seus 71 anos de existência! Nossos Parabéns!! 
A Comunidade N. Sra. Aparecida se alegra com esta data e deseja a nosso bispo diocesano muitas felicidades e saúde para continuar pastoreando o Rebanho de Deus na Diocese de Parnaíba!!!  

Que a Virgem, Mãe da Divina Graça, sempre proteja-o com seu manto e que São João, do qual sucede na linhagem apostólica, continue auxiliando-o no Ministério Episcopal!

Para homenageá-lo citamos "ipsis litteris" algumas páginas de um livro que traz sua biografia até quando era apenas padre. Eis um trecho:

Alfredo Schaffler

Professor. Vivia uma vida de conforto na Europa. De repente, deixa tudo para se doar ao povo do sertão do Piauí, como Padre. Nasceu em 18 de janeiro de 1941, numa cidade tamanho médio da Áustria.
Filho de pais cristãos.
Tinha catorze dias quando seu pai foi para a guerra. Chegou a conhecê-lo, quando estava com sete anos...
Criado depois numa fazenda, passa por toda a problemática da guerra, presenciando os conflitos de uma maneira trágica.
Mais tarde, voltou para a cidade, e aí começou os estudos primários. Ficou até os 14 anos. Nessa época enfrenta a vida sozinho. Viena é sua nova cidade.
Trabalhou nos mais diversos serviços: como carteiro, coveiro de um cemitério, num matadouro de bois, porcos. Uma vida dura! Mais tarde, em um escritório; e sempre estudando. Além do 1º e 2º grau fez psicologia, pedagogia e orientação educacional.
Alfredo nunca foi um cara afastado de Deus. Lia muito sobre a vida de grandes homens, para seguir seu exemplo.
(pág. 97)
Em 1970, naturalizou-se brasileiro. Hoje Pe. Alfredo leva sua experiência pastoral a vários estados do Nordeste: jovens, adultos, Comunidades Eclesiais de Base, etc.
É um homem que irradia muita libertação interior. Um homem de fé profunda. Um homem de oração e ação. Forte, simpático. Por dentro e por fora.

“Só posso dizer que nunca me arrependi, por um instante sequer, dessa opção que fiz. Se pudesse escolher outra vez, eu não teria dúvida nenhuma que seria padre lá no sertão do Piauí. No meio daquele povo generoso, solidário e aberto, que me acolheu como um irmão, e com o qual eu me identifico, vivo e procuro realizar a Igreja”.

Devido a seu testemunho, muita gente afastada hoje trabalha no apostolado, engajada dentro das exigências pastorais locais. Muitos rapazes já são padres, outros estão se preparando.
Os grandes homens, os santos, são cheios de simplicidade. Numa conversa fraterna que tive com ele em um desses Cursos de Comunicação que damos, ele me falou:

“Não me considero nada de especial. Apenas um instrumento enferrujado... mas mesmo com uma enxada enferrujada a gente pode fofar a terra, plantar uma sementinha e ajudar a nascer uma árvore que pode dar muitos frutos e matar a fome de alguém”.

Este é o Pe. Alfredo Schaffler!
Pessoas como ele sustentam o mundo!
Obs.: Hoje este homem admirável é bispo no Piauí.

(pág. 99)
Extraído do livro:
 
 
MEDEIROS, Urbano. Homens e mulheres de ontem e de hoje: vidas e mensagens. São Paulo: Loyola, 1991.


No Google “Books”, leia mais sobre este livro e conheça diversas personalidades!

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Lançamento da Logo da JMJ Rio2013 será no dia 1º de fevereiro

A logomarca oficial da Jornada Mundial da Juventude Rio2013 será lançada no dia 1º de fevereiro. A notícia foi dada em primeira mão pelo coordenador do Setor Juventude na Arquidiocese do Rio, padre Renato Martins, durante a missa que abriu a Vigília dos Jovens Adoradores na noite do dia 13 de janeiro.
A celebração foi presidida pelo arcebispo do Rio, Dom Orani João Tempesta. A vigília em preparação à JMJ Rio2013 é realizada sempre na segunda sexta-feira do mês, no Santuário Nacional de Adoração Perpétua, na Igreja de Sant’Ana, no Centro do Rio.
Os jovens lotaram a igreja para permanecer junto a Jesus Sacramentado durante toda a noite em oração pela JMJ. Para esse momento de Adoração ao Santíssimo Sacramento, os participantes da vigília também receberam a visita da imagem peregrina de São Sebastião, padroeiro da Arquidiocese e da cidade do Rio de Janeiro, como parte das celebrações da trezena em honra ao Santo. Este ano a trezena tem como tema: "São Sebastião, jovem discípulo de Jesus Cristo".
Durante a celebração eucarística, Dom Orani lembrou que estar em oração é o que sustenta todo o trabalho de preparação da JMJ. "Que essa Jornada leve a juventude a reafirmar sua caminhada rumo à santidade", afirmou o arcebispo.
Dom Orani recordou que todos somos enviados em missão e que devemos sair ao encontro do outro e levá-lo ao Cristo. Também o jovem é chamado a viver de uma maneira nova, a fazer diferença na sociedade, reforçou.
A animação da vigília foi feita pela banda Frutos de Medjugorje e parte da condução foi feita pelo Missionário da Canção Nova Ricardo Sá . 
 
Fonte: Rio2013.

domingo, 15 de janeiro de 2012

Reflexão para o 2º Domingo do Tempo Comum

Ouça abaixo o Programa radiofônico "A Voz da Diocese" desse dia, o qual traz uma meditação sobre o 2º Domingo do Tempo Comum (Ano B) e uma mensagem de nosso bispo diocesano, Dom Alfredo Scháffler, sobre a Festa dos "Santos Reis" (Epifania do Senhor) celebrada, aqui no Brasil, domingo passado!
No mesmo programa o Coordenador da PASCOM Diocesana, Prof. Paulo Adriano, tece várias informações sobre as Semanas Missionárias que acontecem nestes dias em duas Paróquias de nossa Diocese (Paróquia de N. Sra. dos Remédios - Buriti dos Lopes, Caxingó, Caraúbas e Murici dos Portelas; e, Paróquia de Santa Luzia - Luzilândia)!

sábado, 14 de janeiro de 2012

Aniversário de Dom Rufino


Hoje, 14 de janeiro, nosso bispo-emérito, Dom Joaquim Rufino do Rêgo, comemora seus 86 anos de vida! Os nossos Parabéns!!

Nossa comunidade deseja a nosso “bispo do coração” muita Saúde e Paz, a fim de continuarmos contando com a presença amável deste excelente homem de Deus! 
Felicidades!!

domingo, 8 de janeiro de 2012

ANÚNCIO DAS SOLENIDADES MÓVEIS DE 2012

É tradição na Solenidade da Epifania do Senhor se fazer o Anúncio das Solenidades Móveis do Senhor Jesus do ano em curso. Eis aqui o anúncio feito na missa de hoje:

Irmãos caríssimos, a glória do Senhor manifestou-se e sempre haverá de manifestar-se no meio de nós até a sua vinda no fim dos tempos.
Nos ritmos e nas vicissitudes do tempo recordamos e vivemos os mistérios da salvação.
O centro de todo o ano litúrgico é o Tríduo do Senhor, Crucificado, Sepultado e Ressuscitado, que culminará no Domingo de Páscoa, este ano, a 8 de abril.
Em cada domingo, Páscoa semanal, a Santa Igreja torna presente este grande acontecimento, no qual Jesus Cristo venceu o pecado e a morte.
Da celebração da Páscoa do Senhor derivam todas as celebrações do Ano Litúrgico: as Cinzas, início da Quaresma, a 22 de fevereiro; a Ascensão do Senhor, a 20 de maio; Pentecostes, a 27 de maio; o primeiro Domingo do Advento, a 2 de dezembro.
Também nas festas da Santa Mãe de Deus, dos Apóstolos, dos Santos e na Comemoração dos Fiéis Defuntos, a Igreja peregrina sobre a terra proclama a Páscoa do Senhor.
A Cristo, que era, que é e que há de vir, Senhor do tempo e da História, louvor e glória pelos séculos dos séculos. AMÉM!

O nascimento de Jesus e a Estrela-Guia: existe uma relação?

A Igreja no Brasil, neste ano, celebra a festa da Epifania neste domingo, 8 de janeiro. No dia da Epifania, recordamos que os Reis magos visitaram o pequeno Jesus, recém-nascido. No Brasil, o Dia dos Reis Magos é popularmente celebrado no dia 6 de janeiro. Como diz o Evangelho de Mateus, os três estrangeiros, Melquior, Baltasar e Gaspar teriam sido guiados pela Estrela de Belém.
“Tendo eles ouvido o rei, partiram; e eis que a estrela, que tinham visto no Oriente, ia adiante deles, até que, chegando, se deteve sobre o lugar onde estava o menino. E vendo eles a estrela, regozijaram-se muito com grande alegria. E entrando na casa, acharam o menino com Maria sua mãe e, prostrando-se, o adoraram; e abrindo os seus tesouros, ofertaram-lhe dádivas: ouro, incenso e mirra”.
Nesta passagem, Mateus (2, 9-10) descreve um fenômeno astronômico que acompanha o nascimento do Menino. Para aprofundar o significado histórico, científico e espiritual da imagem da Estrela-guia, a colega Fausta Speranza entrevistou o diretor do Observatório Astronômico do Vaticano, o jesuíta argentino Padre José Gabriel Funes:
“Não há provas históricas de um evento astronômico na época, mas não se pode dizer com certeza que ele não aconteceu. O que sabemos, graças principalmente aos estudiosos biblistas, é que o evangelista Mateus tenta explicar a infância de Jesus e o cumprimento das Escrituras Nele. Isso tem um significado muito bonito e profundo”.
Existe, todavia, uma relação entre história e ciência: hoje sabemos que o nascimento de Jesus era associado a um evento astronômico...
“Muitas vezes o nascimento de grandes personagens históricos é associado a um evento astronômico. Pode ser esta a explicação. Ou pode ser que tenha havido uma conjunção de Júpiter com Saturno, ou com outro planeta; ou uma estrela que explodiu, uma nova ou super-nova... ou até uma estrela cometa... Creio que o importante seja o significado espiritual, que tem um fundamento também na história, ou seja, o nascimento de Jesus". 
O diretor do Observatório Astronômico do Vaticano explica, do ponto de vista científico, mas com uma linguagem simples, o que é exatamente o fenômeno astronômico do cometa:
“Os cometas se formam na periferia de nosso sistema solar e estão muito distantes do sol. Pode ser que uma estrela vizinha, passando perto do sol, movimente estes objetos astronômicos. Plutão, por exemplo, é um destes corpos da periferia do sistema solar que se aproximam ao sol e se transformam em cauda do cometa. O núcleo pode ser de 3 ou 4 km, mas até 10 ou 12, e a cauda é muito mais longa, podendo crescer até 150 milhões de km".
Fenômeno científico e fé: a Estrela-guia era o ponto de referência para os Reis Magos que procuravam Jesus. Um forte valor de fé. Assim sendo, a Estrela nos leva a raciocinar sobre a relação entre ciência e fé neste momento em que muitos tentam negar tal relação...
“Certamente. Muitas vezes em nossa cultura cotidiana, que é por vezes superficial, ciência e fé são apresentadas como inimigos em uma espécie de guerra santa. Ao contrário, para nós, os Reis Magos são um exemplo de que a ciência e a fé podem se ajudar mutuamente, ser integradas, viver em harmonia. Os Magos são peregrinos, são aqueles que buscam a verdade. São exemplos para nós as pessoas intelectualmente honestas que com a sua inteligência procuram a verdade. Como diz o Evangelho, ao encontrar a verdade, ao encontrar Jesus, ao ver as estrelas eles ficam felizes e me parece que esta é uma mensagem muito bonita e importante para nossos tempos. Acho que ainda hoje, esta imagem do presépio é muito atual para falar de Igreja. A Igreja está presente em meio aos pobres, aos pastores, a quem é anunciado primeiramente o nascimento de Jesus; e existe também um anúncio diferente feito aos Magos, que representam, por assim dizer, intelectuais e cientistas: também a eles o anúncio da Estrela se dirige”. 
 

Participe hoje da Santa Missa na Epifania do Senhor! Será às 17h30min em nossa Capela!

Epifania do Senhor-2012

Por não ser feriado nacional e seguindo as normas do Diretório de Liturgia da Igreja no Brasil, hoje, 8 de janeiro, celebramos a Solenidade da Epifania do Senhor ("Dia de Reis"), a Festa da manifestação de Deus a todos! O Senhor quer salvar a todos, não importa a cor, raça, ou Credo! Um coração santo, sincero, honesto e pacífico é o necessário para a Salvação da pessoa e isso é o que o Concílio Vaticano II nos ensina quando diz que depois que Cristo morreu por todos, “nós devemos crer que o Espírito Santo ofereça a todos, de uma forma que só Deus conhece, a possibilidade de estar associado ao mistério pascal”. (Constituição Pastoral Gaudium et spes, n. 22).
Leia a Homilia do Santo Padre Bento XVI nesta Solenidade, que foi celebrada na manhã na Basílica de São Pedro no dia 6. Durante a missa o pontífice conferiu a ordenação episcopal aos presbíteros Mons. Charles John Brown, Núncio apostólico na Irlanda, e Mons. Marek Solczyński, Núncio apostólico na Geórgia e na Armênia. 

HOMILIA DO PAPA BENTO XVI
Basílica Vaticana
Sexta-feira, 6 de Janeiro de 2012 
Queridos irmãos e irmãs,

A Epifania é uma festa da luz. «Ergue-te, Jerusalém, e sê iluminada, que a tua luz desponta e a glória do Senhor está sobre ti» (Is 60, 1). Com estas palavras do profeta Isaías, a Igreja descreve o conteúdo da festa. Sim, veio ao mundo Aquele que é a Luz verdadeira, Aquele que faz com que os homens sejam luz. Dá-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus (cf. Jo 1, 9.12). Para a liturgia, o caminho dos Magos do Oriente é só o início de uma grande procissão que continua ao longo da história inteira. Com estes homens, tem início a peregrinação da humanidade rumo a Jesus Cristo: rumo àquele Deus que nasceu num estábulo, que morreu na cruz e, Ressuscitado, permanece connosco todos os dias até ao fim do mundo (cf. Mt 28, 20). A Igreja lê a narração do Evangelho de Mateus juntamente com a visão do profeta Isaías, que escutámos na primeira leitura: o caminho destes homens é só o início. Antes, tinham vindo os pastores – almas simples que habitavam mais perto de Deus feito menino, podendo mais facilmente «ir até lá» (cf. Lc 2, 15) ter com Ele e reconhecê-Lo como Senhor. Mas agora vêm também os sábios deste mundo. Vêm grandes e pequenos, reis e servos, homens de todas as culturas e de todos os povos. Os homens do Oriente são os primeiros, seguidos de muitos outros ao longo dos séculos. Depois da grande visão de Isaías, a leitura tirada da Carta aos Efésios exprime, de modo sóbrio e simples, a mesma ideia: os gentios partilham da mesma herança (cf. 3, 6). Eis como o formulara o Salmo 2: «Eu te darei as nações por herança, e os confins da terra para teu domínio» (v. 8).
Os Magos do Oriente vão à frente. Inauguram o caminho dos povos para Cristo. Durante esta Missa, vou conferir a Ordenação Episcopal a dois sacerdotes, consagrá-los-ei Pastores do povo de Deus. Segundo palavras de Jesus, caminhar à frente do rebanho faz parte da função do Pastor (cf. Jo 10, 4). Por isso naqueles personagens, que foram os primeiros pagãos a encontrar o caminho para Cristo, talvez possamos – não obstante todas as diferenças nas respectivas vocações e tarefas – procurar indicações para a missão dos Bispos. Que tipo de homens eram os Magos? Os peritos dizem-nos que pertenciam à grande tradição astronómica que se fora desenvolvendo na Mesopotâmia no decorrer dos séculos, e era então florescente. Mas esta informação, por si só, não é suficiente. Provavelmente haveria muitos astrónomos na antiga Babilónia, mas poucos, apenas estes Magos, se puseram a caminho e seguiram a estrela que tinham reconhecido como sendo a estrela da promessa, ou seja, a que indicava o caminho para o verdadeiro Rei e Salvador. Podemos dizer que eram homens de ciência, mas não apenas no sentido de quererem saber muitas coisas; eles queriam algo mais. Queriam entender o que é que conta no facto de sermos homens. Provavelmente ouviram falar da profecia de Balaão, um profeta pagão: «Uma estrela sai de Jacob, e um cetro se levanta de Israel» (Nm 24, 17). Eles aprofundaram esta promessa. Eram pessoas de coração inquieto, que não se satisfaziam com aparências ou com a rotina da vida. Eram homens à procura da promessa, à procura de Deus. Eram homens vigilantes, capazes de discernir os sinais de Deus, a sua linguagem subtil e insistente. Mas eram também homens corajosos e, ao mesmo tempo, humildes: podemos imaginar as zombarias que tiveram de suportar quando se puseram a caminho para ir ter com o Rei dos Judeus, enfrentando canseiras sem número. Mas, não consideravam decisivo o que se pensava ou dizia deles, mesmo pelas pessoas influentes e inteligentes. Para eles o que contava era a própria verdade, não a opinião dos homens. Por isso, enfrentaram as privações e o cansaço dum caminho longo e incerto. Foi a sua coragem humilde que lhes permitiu prostrar-se diante dum menino filho de gente pobre e reconhecer n’Ele o Rei prometido, cuja busca e reconhecimento fora o objectivo do seu caminho exterior e interior.

sábado, 7 de janeiro de 2012

Mais um Aniversário de Dona Dolores em Comunidade

Dona Dolores, na Festa da Padroeira-2011
No último dia 5, Às 19h30, ainda vivendo o Tempo do Natal do Senhor, comemoramos com uma Santa Missa, o aniversário de 95 anos de vida de nossa irmã, Dona Maria Dolores do Val Ribeiro! É a 5ª vez que celebramos essa festa, a 1ª vez com a Santa Missa! A Capela estava lotada de parentes e de amigos da aniversariante!
Dona Dolores é um grande modelo de fé na nossa comunidade!! É uma das fundadoras da Comunidade! Felicidades e Saúde à nossa irmã Dolores!! Vida longa!
Ao final da Missa que foi presidida por Pe. Vicente Gregório (primo da aniversariante), os familiares leram mensagens à matriarca da família e os coroinhas de nossa comunidade apresentaram uma coreografia da música "O céu inteiro está rezando por ti" (Anjos de Resgate) em homenagem à Dona Dolores.
Dona Maria da Soledade, presidente do grupo de Apostolado da Oração (A.O) ofereceu à dona Dolores uma lembrancinha e também à Maria do Carmo, que é uma das zeladoras do A.O e que aniversariou no último dia 2! O catequista H. Saulo, em nome da Coordenação, ofereceu uma lembrancinha à Dona Dolores.

P.S.: Depois postaremos imagens do Acontecimento!

Nota com Indicações Pastorais para o Ano da Fé

A Congregação para a Doutrina da Fé divulgou, neste sábado, 7, uma nota com as indicações pastorais para o .Ano da Fé (2012-2013). Esta, contempla todos os níveis da Igreja, desde o nível universal, das Conferências Episcopais, diocesano e em nível das paróquias, comunidades, associações e movimentos. 
Leia-na abaixo:

CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ

Nota com indicações pastorais para o Ano da Fé

INTRODUÇÃO
Com a Carta apostólica Porta fidei de 11 de outubro de 2011, o Santo Padre Bento XVI convocou um Ano da Fé. Ele começará no dia 11 de outubro 2012, por ocasião do qüinquagésimo aniversário da abertura do Concílio Ecumênico Vaticano II, e terminará aos 24 de novembro de 2013, Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo.
Este ano será uma ocasião propícia a fim de que todos os fiéis compreendam mais profundamente que o fundamento da fé cristã é “o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo”. [1] Fundamentada no encontro com Jesus Cristo ressuscitado, a fé poderá ser redescoberta na sua integridade e em todo o seu esplendor. “Também nos nossos dias a fé é um dom que se deve redescobrir, cultivar e testemunhar” para que o Senhor “conceda a cada um de nós viver a beleza e a alegria de sermos cristãos”[2].
O início do Ano da Fé coincide com a grata recordação de dois grandes eventos que marcaram a face da Igreja nos nossos dias: o qüinquagésimo aniversário da abertura do Concílio Vaticano II, desejado pelo beato João XXIII (11 de outubro de 1962), e o vigésimo aniversário da promulgação do Catecismo da Igreja Católica, oferecido à Igreja pelo beato João Paulo II (11 de outubro de 1992).
O Concílio, segundo o Papa João XXIII, quis “transmitir pura e íntegra a doutrina, sem atenuações nem subterfúgios”, empenhando-se para que “esta doutrina certa e imutável, que deve ser fielmente respeitada, seja aprofundada e exposta de forma a responder às exigências do nosso tempo”[3]. A este propósito, continua sendo de importância decisiva o início da Constituição dogmática Lumen gentium: “A luz dos povos é Cristo: por isso, este sagrado Concílio, reunido no Espírito Santo, deseja ardentemente iluminar com a Sua luz, que resplandece no rosto da Igreja, todos os homens, anunciando o Evangelho a toda a criatura (cfr. Mc. 16,15)”[4]. A partir da luz de Cristo, que purifica, ilumina e santifica na celebração da sagrada liturgia (cf. Constituição Sacrosanctum Concilium) e com a sua palavra divina (cf. Constituição dogmática Dei Verbum), o Concílio quis aprofundar a natureza íntima da Igreja (cf. Constituição dogmática Lumen gentium) e a sua relação com o mundo contemporâneo (cf. Constituição pastoral Gaudium et spes). Ao redor das suas quatro Constituições, verdadeiras pilastras do Concílio, se agrupam as Declarações e os Decretos, que enfrentam alguns dos maiores desafios do tempo.
Depois do Concílio, a Igreja se empenhou na assimilação (receptio) e na aplicação do seu rico ensinamento, em continuidade com toda a Tradição, sob a guia segura do Magistério. A fim de favorecer a correta assimilação do Concílio, os Sumos Pontífices convocaram amiúde o Sínodo dos Bispos[5], instituído pelo Servo de Deus Paulo VI em 1965, propondo à Igreja orientações claras por meio das diversas Exortações apostólicas pós-sinodais. A próxima Assembléia Geral do Sínodo dos Bispos, no mês de outubro de 2012, terá como tema: A nova evangelização para a transmissão da fé cristã.
Desde o começo do seu pontificado, o Papa Bento XVI se empenhou de maneira decisiva por uma correta compreensão do Concílio, rechaçando como errônea a assim chamada “hermenêutica da descontinuidade e da ruptura” e promovendo aquele que ele mesmo chamou de “’hermenêutica da reforma’”, da renovação na continuidade do único sujeito-Igreja, que o Senhor nos concedeu; é um sujeito que cresce no tempo e se desenvolve, permanecendo porém sempre o mesmo, único sujeito do Povo de Deus a caminho”[6].
O Catecismo da Igreja Católica, pondo-se nesta linha, é, de um lado, “verdadeiro fruto do Concílio Vaticano II”[7], e de outro pretende favorecer a sua assimilação. O Sínodo Extraordinário dos Bispos de 1985, convocado por ocasião do vigésimo aniversário da conclusão do Concílio Vaticano II e para efetuar um balanço da sua assimilação, sugeriu que fosse preparado este Catecismo a fim de oferecer ao Povo de Deus um compêndio de toda a doutrina católica e um texto de referência segura para os catecismos locais. O Papa João Paulo II acolheu a proposta como desejo “de responder plenamente a uma necessidade verdadeira da Igreja Universal e das Igrejas particulares”[8]. Redigido em colaboração com todo o Episcopado da Igreja Católica, este Catecismo “exprime verdadeiramente aquela a que se pode chamar a ‘sinfonia da fé’”[9].
O Catecismo compreende “coisas novas e velhas (cf. Mt 13,52), porque a fé é sempre a mesma e simultaneamente é fonte de luzes sempre novas. Para responder a esta dupla exigência, o ‘Catecismo da Igreja Católica’ por um lado retoma a ‘antiga’ ordem, a tradicional, já seguida pelo Catecismo de São Pio V, articulando o conteúdo em quatro partes: o Credo; a sagrada Liturgia, com os sacramentos em primeiro plano; o agir cristão, exposto a partir dos mandamentos; e por fim a oração cristã. Mas, ao mesmo tempo, o conteúdo é com freqüência expresso de um modo ‘novo’, para responder às interrogações da nossa época”[10]. Este Catecismo é “um instrumento válido e legítimo a serviço da comunhão eclesial e como uma norma segura para o ensino da fé.”[11]. Nele os conteúdos da fé encontram “a sua síntese sistemática e orgânica. Nele, de facto, sobressai a riqueza de doutrina que a Igreja acolheu, guardou e ofereceu durante os seus dois mil anos de história. Desde a Sagrada Escritura aos Padres da Igreja, desde os Mestres de teologia aos Santos que atravessaram os séculos, o Catecismo oferece uma memória permanente dos inúmeros modos em que a Igreja meditou sobre a fé e progrediu na doutrina para dar certeza aos crentes na sua vida de fé.”[12].
O Ano da Fé quer contribuir para uma conversão renovada ao Senhor Jesus e à redescoberta da fé, para que todos os membros da Igreja sejam testemunhas credíveis e alegres do Senhor ressuscitado no mundo de hoje, capazes de indicar a “porta da fé” a tantas pessoas que estão em busca. Esta “porta” escancara o olhar do homem para Jesus Cristo, presente no nosso meio “todos os dias, até o fim do mundo” (Mt 28, 20). Ele nos mostra como “a arte de viver” se aprende “numa relação profunda com Ele”[13]. “Com o seu amor, Jesus Cristo atrai a Si os homens de cada geração: em todo o tempo, Ele convoca a Igreja confiando-lhe o anúncio do Evangelho, com um mandato que é sempre novo. Por isso, também hoje é necessário um empenho eclesial mais convicto a favor duma nova evangelização, para descobrir de novo a alegria de crer e reencontrar o entusiasmo de comunicar a fé”[14].
Por ordem do Papa Bento XVI[15], a Congregação para a Doutrina da Fé redigiu a presente Nota, em acordo com os Dicastérios competentes da Santa Sé e com a contribuição do Comitê para a preparação do Ano da Fé[16], com algumas indicações para viver este tempo de graça, sem excluir outras propostas que o Espírito Santo quiser suscitar entre os Pastores e os fiéis nas diversas partes do mundo.

INDICAÇÕES
“Eu sei em quem pus a minha fé” (2 Tm 1, 12): esta palavra de São Paulo nos ajuda a compreender que “antes de mais, a fé é uma adesão pessoal do homem a Deus. Ao mesmo tempo, e inseparavelmente, é o assentimento livre a toda a verdade revelada por Deus”[17]. A fé como confiança pessoal no Senhor e a fé que professamos no Credo são inseparáveis, se atraem e se exigem reciprocamente. Existe uma ligação profunda entre a fé vivida e os seus conteúdos: a fé das testemunhas e dos confessores é também a fé dos apóstolos e dos doutores da Igreja.
Neste sentido, as seguintes indicações para o Ano da Fé desejam favorecer tanto o encontro com Cristo por meio de autênticas testemunhas da fé, quanto o conhecimento sempre maior dos seus conteúdos. Trata-se de propostas que visam solicitar, de maneira exemplificativa, a pronta responsabilidade eclesial diante do convite do Santo Padre a viver em plenitude este Ano como um especial “tempo de graça”[18]. A redescoberta alegre da fé poderá contribuir também a consolidar a unidade e a comunhão entre as diversas realidades que compõem a grande família da Igreja.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Novo Consistório do papa Bento XVI

Na manhã desta sexta-feira, 6, Festa da Epifania do Senhor ("Dia de Reis") no Vaticano, o Papa anunciou que no próximo dia 18 de fevereiro realizará seu 4º Consistório em que criará 22 novos membros para o Colégio Cardinalício.
Os cardeais – explicou o Pontífice antes de rezar a oração do Angelus com os fiéis – têm como dever ajudar o Sucessor do Apóstolo Pedro no desenvolvimento de seu Ministério de confirmar os fiéis na fé e ser princípio e fundamento da unidade e da comunhão na Igreja.  
Dom João Braz de Aviz, Prefeito
da Congregação para os Institutos
de Vida Consagrada.
Num possível Conclave (processo de eleição de um novo Sumo Pontífice), só podem votar os Cardeais com idade inferior a 80 anos. Neste ano, 13 cardeais deixarão de ser eleitores, por isso faz-se necessário este Consistório, a fim de manter a quantidade necessária para um eventual Conclave.
Entre os nomeados, está o bispo brasileiro Dom João Braz de Aviz, que desde 4 de janeiro de 2011 é o Prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada. O arcebispo, que durante muito tempo esteve à frente da arquidiocese de Brasília, foi o único brasileiro e latino-americano escolhido pelo Papa desta vez. Dom João foi sucessido na Arquidiocese de Brasília, por Dom Sérgio da Rocha, ex-arcebispo de Teresina, no dia 06/08/2011.
A partir de fevereiro Dom João Braz de Aviz passará a integrar o grupo de cardeais brasileiros, composto hoje por Dom Eugênio Sales, Dom Paulo Evaristo Arns, Dom José Falcão, Dom Serafim Fernandes Araújo (já não-eleitores), Dom Claudio Hummes, Dom Geraldo Majella Agnelo, Dom Eusébio Sheid, Dom Odilo Pedro Sherer e Dom Raymundo Damasceno Assis.
Em 1994, João Paulo II nomeou Dom João Braz, bispo auxiliar da Arquidiocese de Vitória do Espírito Santo, onde, desde então, adotou o lema episcopal: Todos sejam um (Jo 17,21). Depois, ele foi bispo de Ponta Grossa, Paraná; arcebispo de Arquidiocese de Maringá, também no Paraná, e por fim, arcebispo de Brasília, cargo que ocupou de 2004 até o fim de 2010.
Além de Dom JOÃO, serão também cardeais: Dom FERNANDO FILONI, Prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos; Dom MANUEL MONTEIRO DE CASTRO, Penitenciário-Mór; Dom SANTOS ABRIL Y CASTELLÓ, Arcipreste da Basílica Papal de Santa Maria Maior; Dom ANTONIO MARIA VEGLIÒ, Presidente do Pontifício Conselho da Pastoral para Migrantes e Itinerantes;Dom GIUSEPPE BERTELLO, Presidente da Pontifícia Comissão para o Estado da Cidade do Vaticano e Presidente do Governo do mesmo Estado; Dom FRANCESCO COCCOPALMERIO, Presidente do Pontifício Conselho para os Textos Legislativos; Dom EDWIN FREDERIK O'BRIEN, Pró-Grão Mestre da Ordem Equestre do Santo Sepulcro de Jerusalém; Dom DOMENICO CALCAGNO, Presidente da Administração do Patrimônio da Sé Apostólica; GIUSEPPE VERSALDI, Presidente da Prefeitura dos Assuntos Econômicos da Santa Sé; Sua Beatitude GEORGE ALENCHERRY, Arcebispo-mór de Ernakulam Angamaly dos Sírios-malabarenses (Índia); Dom THOMAS CHRISTOPHER COLLINS, Arcebispo de Toronto (Canadá); Dom DOMINIK DUKA, Arcebispo de Praga (República Checa); Dom WILLEM JACOBUS EIJK, Arcebispo de Utrecht (Países Baixos); Dom GIUSEPPE BETORI, Arcebispo de Florença (Itália); Dom TIMOTHY MICHAEL DOLAN, Arcebispo de Nova Iorque; Dom RAINER MARIA WOELKI, Arcebispo de Berlim (República Federal da Alemanha); Dom JOHN TONG HON, Bispo de Hong Kong (República Popular Chinesa).
O Papa também decidiu elevar à dignidade cardinalícia outros 4 eclesiásticos (não-eleitores) que se distinguiram por seu compromisso a serviço da Igreja: Sua Beatitude LUCIAN MUREŞAN, Mons. JULIEN RIES, Pe. PROSPER GRECH e Pe. KARL BECKER, S.I. 
Os novos cardeais provêm de diversas partes do mundo e realizam vários ministérios a serviço da Santa Sé ou em contato direto com os fiéis. 

FONTE:
Com Adaptações, Rádio Vaticano.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

JMJ-Rio-2013: Programação nas Dioceses do Piauí

Logo do Bote Fé na
Diocese de Campo Maior
A Diocese de Campo Maior realiza hoje, logo mais às 20 horas a Abertura Oficial da Jornada Mundial da Juventude e Acolhimento da Cruz e Ícone de Nossa Senhora que passará naquela Diocese nos dias de 13-16 de março/2012. O Bispo Diocesano Dom Eduardo Zielski, a equipe Diocesana da JMJ e o presbitério estarão na solenidade que acontecerá no Colégio Patronato Nossa Senhora de Lourdes. Após a abertura haverá um Show ao Vivo com o Pe. Antônio Pereira.
E a Coordenação do Setor Juventude, Pe. Ronaldo Souza e lideranças das Pastorais da Juventude da Diocese de Parnaíba reuniu-se nesta quarta-feira, 04/01, para planejar e articular a Peregrinação dos Ícones da Jornada Mundial da Juventude, a Cruz e a Imagem de Nossa Senhora, e a V Romaria da Juventude, evento que será realizado no dia 11 de março de 2012, na Catedral de Nossa Senhora da Graça.
A Comissão da Diocese de Parnaíba receberá os Ícones da Diocese de Tianguá, na cidade de Viçosa, dia 11 de março às 11h da manhã, passará pela cidade de Cocal da Estação, aonde será feita uma recepção dos símbolos. Em Buriti dos Lopes haverá mais uma parada e os ícones junto à comissão seguirão para Parnaíba, cidade sede da Diocese.  
Em Parnaíba a Cruz e a Imagem de Nossa Senhora visitarão todas as paróquias da cidade, passando por cada uma, que devem se preparar com apresentações artísticas, após o percurso os Ícones serão recepcionados na Matriz de Nossa Senhora da Graça, aonde será celebrada a Santa Missa e será realizada a V Romaria da Juventude, com shows de bandas católicas da Diocese e uma vigília alusiva à Romaria.
No dia 12/03, logo pela manhã, a Comissão encaminhará os símbolos à cidade de Piracuruca, aonde permanecerão durante todo o dia e no fim do tarde serão levados à cidade de Batalha, que celebrará a Santa Missa e shows católicos durante a noite e dia 13 de março os Ícones seguirão para a Diocese de Campo Maior por meio da cidade de Barras.
Durante a reunião foram divididas as equipes de trabalho, distribuídas as tarefas necessárias ao evento, bem como ainda fechada uma programação para os dias da visita da Cruz e da Imagem de Nossa Senhora na Diocese de Parnaíba.

domingo, 1 de janeiro de 2012

1ª Celebração do Ano Civil - 2012

Neste 1º dia de 2012, nossa comunidade se reuniu para louvar a Deus o dom do novo ano e também por ter escolhido Maria, para Mãe do Senhor Jesus, salvador da humanidade. A Celebração da Palavra foi presidida pelo ministro H. Saulo e contou com considerável número de fiéis.


Durante a Celebração os fiéis acolheram a imagem de Nossa Senhora Aparecida, nossa padroeira trazida por parte dos Coroinhas da Comunidade e também todos ouviram a Mensagem de Dom Alfredo Scháffler para o Ano de 2012 (apresentado na TV Delta no último final de semana e em nossa Capela, ouviu-se apenas o áudio gravado por H. Saulo) e com muita atenção, meditaram as palavras de nosso amado pastor diocesano.



O ministro, em sua pregação falou do papel de Maria na Encarnação do Verbo de Deus, explicou sobre a formulação dogmática da maternidade divina de Nossa Senhora no 1º Concílio de Éfeso, em 11/10/431e leu alguns pontos da Mensagem do Papa Bento XVI para o "Dia Mundial da Paz - 2012 - "EDUCAR OS JOVENS PARA A JUSTIÇA E A PAZ".
Ao final da Celebração, cantou-se, antecipadamente, os parabéns para a aniversariante, Dona Júlia!

Participe, na quarta-feira, 04/01, da 1º Novena Permanente a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro desse ano e, no dia 05, da Santa Missa do aniversário natalício de Dona Dolores - ambas as celebrações, às 19 horas!

Solenidade da Maternidade Divina de Maria Santíssima

Hoje, oitava de Natal, é celebrado o nome de Jesus dado ao pequeno recém-nascido, mas sobretudo é a Solenidade de Maria, sua Mãe, como Mãe de Deus. (Leituras: Nm 6,22-27 = Invocarão meu nome e eu os abençoarei; Sl 66 = Que Deus nos dê sua graça e sua bênção; Gl 4,4-7 = Deus enviou seu Filho, nascido de uma mulher; Lc 2, 16-21 = Encontraram Maria, José e o recém nascido.)
O nome Jesus significa Deus Salva e ele é o Príncipe da Paz. Por isso hoje é também comemorado o Dia Mundial da Paz!
Iniciamos o Ano Civil com a solenidade da maternidade divina, quando Maria dá à Humanidade aquele que é a bênção do Pai, a própria paz, Jesus Cristo!
Nossa Senhora Mãe da Divina Graça
(imagem portuguesa do séc. XVIII) - atesta o dogma da 
Maternidade Divina de Maria Santíssima (séc. IV).
A imposição do nome Jesus ao Menino, enfoca nessa criança todo o significado, todo o conhecimento das palavras vida e bênção. JESUS significa DEUS SALVA. Portanto esse Menino é a própria salvação, a própria bênção, a perfeita bênção, a paz. Como ele dirá mais tarde sobre si mesmo: EU SOU O CAMINHO, A VERDADE, A VIDA.
A Humanidade que tanto desejava a bênção, a paz, a Vida, agora recebe todos esses dons nesse Menino, em Jesus.
Bênção é um voto de desejo de que a força de Deus venha sobre as pessoas que a recebem, para que saibam enfrentar os desafios que terão no ano que se inicia. E como é pronunciada sobre a pessoa, em nome de Deus, é certo que isso acontecerá pela força da vontade do próprio Deus. A fé em Deus, de saber-se amado por Ele, é importantíssima nesse momento.
Portanto, Jesus é a própria força de Deus, é a resposta ao nosso desejo de sermos amados pelo Pai, que – de fato – nos amou por primeiro.
Por outro lado, como a bênção não é magia, mas desejo do coração de Deus e do Homem, ela supõe compromisso da parte deste. É necessário que o Homem desejoso da bênção da paz, mude seu coração, deixe de lado a inveja, a cobiça, a maledicência. A paz só virá para um coração desprendido e ele será, onde estiver, artífice da paz.
Deus é nosso Pai e isso nos compromete a vivermos como filhos. O Evangelho nos diz que a salvação e a paz são frutos da humildade, da simplicidade de vida.
É importante que se diga que apesar de a bênção ter sido dita sobre nós em nome de Deus, no dia a dia nem tudo ocorrerá como desejamos. Quem espera que a bênção de Deus seja um ato mágico, supersticioso que nos livra de contrariedades, transforma Deus em um xamã, esquecendo-se de que Ele é Pai.
O autêntico cristão, aquele que crê que tudo colabora para o bem dos que são amados por Deus, sabe que o Pai é o Senhor da História, que nada acontece sem seu conhecimento e que tudo está sob seu poder. Seria muito estranho, muito humano se Deus protegesse apenas aqueles que buscam seu socorro. Deus é Pai de todos, faz chover sobre os bons e os maus. A diferença está em que os humildes, aqueles que se reconhecem criaturas, sabem que tudo está nas mãos de Deus e nEle confiam. O modo de enfrentar uma situação difícil distingue quem tem fé e esperança e quem em nada crê.
2012 está aí! Mais um tempo dado pelo Senhor para nos aprofundarmos na vivência de Seu amor e no serviço aos irmãos.
Feliz Ano Novo!
Pe. Cesar Augusto dos Santos 
Fonte: Com Adaptações - Rádio Vaticano. 

Leia também: Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus

OBSERVAÇÃO:
A Solenidade de hoje, até antes da Reforma do Calendário Litúrgico pós-Concílio Vaticano II aprovado pelo Santo Padre Paulo VI através da Carta Apostólica MYSTERII PASCHALIS em forma de Motu Proprio de 1969, era celebrada à 11 de outubro, data em o I Concílio de Éfeso (431) definiu dogmaticamente que a Virgem Maria é Theotókos, MÃE DE DEUS, porque Ela é Mãe de Jesus, que tem duas naturezas iguais - Homem-Deus, assim, Nossa Senhora não é apenas Christotókos (mãe de Cristo) como afirmavam as heresias do início da Era Cristã. 
Em nossa Diocese até pouco tempo se venerava Nossa Senhora Mãe da Divina Graça (mãe de Deus) em 11 de outubro, mas razões pastorais desde 1991 transferiu-se a data se professa a verdade dogmática da Maternidade Divina de Nossa Senhora em 08 de setembro, festa de sua Natividade (aniversário natalício de Maria) e também da Instalação Canônica da Diocese (08/09/1945). Para Mais informações, acesse a página "Diocese de Parnaíba". 

Confira essas outras matérias:  

SANTA MARIA, THEOTÓKOS, 
ROGAI POR NÓS, QUE RECORREMOS A VÓS!
Catequista Hermerson Saulo.

Ano Novo Civil

Um Feliz 2012 aos nossos visitantes!!
Que a Santíssima Virgem Maria, Mãe de Deus, cuja Festa celebramos hoje, interceda muitas bênçãos e graças por cada visitante!
Deus abençoe a todos!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...